• Bem-vindos ao GEMPAZ!

    O espiritismo é, ao mesmo tempo, uma ciência de observação e uma doutrina filosófica. Como ciência prática ele consiste nas relações que se estabelecem entre nós e os espíritos; como filosofia, compreende todas as consequências morais que dimanam dessas mesmas relações.(Preâmbulo)

  • O Livro dos Espíritos - Prolegômenos

    ...Fenômenos alheios às leis da ciência humana se dão por toda parte, revelando na causa que os produz a ação de uma vontade livre e inteligente. A razão diz que um efeito inteligente há de ter como causa uma força inteligente e os fatos hão provado que essa força é capaz de entrar em comunicação com os homens por meio de sinais materiais. Interrogada acerca da sua natureza, essa força declarou pertencer ao mundo dos seres espirituais que se despojaram do invólucro corporal do homem. Assim é que foi revelada a Doutrina dos Espíritos...

  • Bem-vindo ao GEMPAZ

    "A questão mais aflitiva para o espírito no Além é a consciência do tempo perdido". Francisco Cândido Xavier

  • Bem-vindo ao Gempaz

    "Lembremo-nos de que o homem interior se renova sempre. A luta enriquece-o de experiência, a dor aprimora-lhe as emoções e o sacrifício tempera-lhe o caráter. O Espírito encarnado sofre constantes transformações por fora, a fim de acrisolar-se e engrandecer-se por dentro." Francisco Cândido Xavier

  • Para reflexão

    Antes de observar os possíveis erros ou defeitos do outro, vale mais procurar-lhe as qualidades e dotes superiores para estimulá-los ao desenvolvimento justo. "Do livro Sinal Verde - André Luiz."

  • Bem-vindo ao Gempaz

    É sempre possível achar a porta do entendimento mútuo, quando nos dispomos a ceder, de nós mesmos, em pequeninas demonstrações de renúncia a pontos de vista. "Do livro Sinal Verde - André Luiz."

  • Evangelho no Lar - Ante a Oração

    Acatemos na oração a presença da luz que nos descortina a estrada para a Vida Superior, sem nos prevalecemos dela, a fim de queixar-nos de outrem ou espancar verbalmente seja a quem seja, quando a nossa comunhão com Deus e com a Espiritualidade Superior não seja possível em lugar à parte, no silêncio do coração,conforme a recomendação de Jesus.

  • Bem-vindo ao GEMPAZ

    “Nascer, morrer, renascer ainda e progredir sempre, tal é a lei.” Todo efeito tem uma causa; todo efeito inteligente tem uma causa inteligente; a potência de uma causa está na razão da grandeza do efeito.” Allan Kardec Allan Kardec

  • Bem-vindo ao GEMPAZ

    "Antes de observar os possíveis erros ou defeitos do outro, vale mais procurar-lhe as qualidades e dotes superiores para estimulá-los ao desenvolvimento justo". Do livro Sinal Verde - pelo Espírito André Luiz

  • Bem-vindo ao GEMPAZ

    “Reconhece-se o verdadeiro espírita por sua transformação moral e pelos esforços que faz para dominar as más inclinações” Allan Kardec

  • Reflitamos...

    Se você tem qualquer mágoa remanescendo da véspera, comece o dia, à maneira do Sol: esquecendo a sombra e brilhando de novo. "Do livro Sinal Verde - André Luiz."

  • Departamento Infância e Juventude

    "Ide, pois, e levai a palavra Divina(...). Arme-se a vossa falange de decisão e coragem! Mãos à obra! O arado está pronto; a terra espera; arai! (Erasto, Evangelho Segundo Espiritismo - cap XX-4)

Gempaz - Diretoria 2015/2016

Publicado em: Diretoria

Grupo Espírita Mensageiros Da Paz

2015/2016 - Equipe de Trabalho do Gempaz

Gestão: 01/05/2015 até 30/04/2017

Data da Ultima Eleição de diretoria: 22.04.2015

 

Diretoria:

  • Presidente: Maria Tereza Camilios dos Santos
  • Vice-presidente: Tânia Santos Assunção Caldeira
  • Tesoureiro: Silvana Nunes Vieira Batistão
  • Secretária: Jeanfrancisco Salomão Castilho

 

Conselho Deliberativo:

Conselho Fiscal:
Membros Efetivos:

Membros Suplentes:

Departamentos:

  • Depto. Doutrinário / EDE: Maria Aparecida Mendonça
  • Depto. Estudo e Educação Mediunidade: Tânia Santos Assunção Caldeira
  • Departamento de Comunicação Social: Sueli Biazi
  • Depto. Evangelização da Infância e Juventude: Rogério Forner
  • Nome do coordenador do DOS-Departamento de Orientação ao Serviço Social Espírita: Gisele Volk Cassangi de Paula
  • Departamento de Atendimento Espiritual: Nelsi Ribeiro da Costa de Souza
  • Departamento de Patrimônio: José Carlos Sandy
  • Departamento de Unificação: Valmir Alves de Souza


Atualmente o Grupo atende na Rua Clotário Portugal nº 871, Centro, na cidade de Apucarana, PR.

Vídeo histórico: Evangelização no Gempaz

Este vídeo mostra um pouco do trabalho inicial da Sociabilização e Evangelização no Grupo Espírita Mensageiros da Paz, na época em que ainda funcionava o Albergue Noturno de Apucarana, hoje Edhucca - Escola de Desenvolvimento Humano Casa do Caminho.

 

Dica: Para assistir em tela cheia clique no canto inferior direito, na imagem do "quadrado".

Grupo Espírita Mensageiros da Paz

REGIMENTO INTERNO DO GRUPO ESPÍRITA MENSAGEIROS DA PAZ

O presente REGIMENTO INTERNO tem como finalidade a unidade,  a coerência  com a Doutrina Espírita, e a organização em todos os âmbitos de atividades desenvolvidas no  “GRUPO  ESPÍRITA  MENSAGEIROS  DA  PAZ”,  doravante  chamado  GEMPAZ, buscando  a  harmonia  entre  os  grupos  das  diversas  atividades  desenvolvidas, participantes e o fortalecimento da  entidade como um todo, a fim de que se atinjam os objetivos estatutários a que se propõe.

CAPÍTULO PRIMEIRO – DAS DIRETRIZES GERAIS

Art. 1º - Toda e qualquer atividade do GEMPAZ, seja metódica, periódica ou eventual,
deverá  ter  como  base  as  Obras  de  Allan  Kardec,  subsidiadas  por  obras  de  origem
mediúnicas ou não, de notório valor doutrinário, a critério do Departamento Doutrinário
do GEMPAZ.

Art. 2º -  São,  terminantemente,  vedadas nas atividades do GEMPAZ prática de rituais
de  qualquer  natureza  e  o  culto  de  imagens  de  Espíritos  ou  pessoas,  devendo -se
observar, nas preces proferidas na abertura e encerramento das sessões públicas ou
reservadas,  a  concisão  e  simplicidade,  conforme  preceituado  em  “Orientação  ao
Centro Espírita”, aprovado pelo Conselho  Federativo Nacional, da Federação Espírita
Brasileira (FEB).

Art.  3º  -  Toda  atividade  a  ser  executada  no  GEMPAZ  deverá,  antes  de  posta  em
execução,  ser  examinada  pelo  Departamento  Doutrinário,  que  se  manifestará
expressamente  sobre  sua  conveniência,  necessidade  e  utilidade,  bem  como  sobre
sua coerência com os postulados da Doutrina Espírita.  Após a análise e manifestação
do  Departamento  Doutrinário,  o  Conselho  Deliberativo  manifestará  sua  opinião,
aprovando ou sugerindo mudanças, e,  em caso de manifesta necessidade de ajustes,
emendas, modificações ou adaptações, o Departamento Doutrinário, ouvindo o setor
ou grupo interessado, elaborará anteprojeto do programa assim retificado, para  nova
manifestação do Conselho  Deliberativo,  único órgão competente para decidir sobre a
aprovação ou não da matéria em exame.


Art. 4º  -  Aplica-se o mesmo procedimento de que trata o artigo anterior na criação de
novos  grupos  de  trabalho  e  estudo  no  GEMPAZ,  cujo  início  de  atividades,  esteja
sempre  sujeito  a  um  período  de  experiência,  dependendo  de  prévia  aprovação  do
Conselho Deliberativo, em consonância com o Departamento Doutrinário.

Art.  5º  -  Os  horários  das  diversas  atividades  devem  ser  criteriosamente  seguidos,
tanto o de início quanto o de encerramento, a fim de que uma atividade não interfira
na outra.

Art. 6º -  Os trabalhadores do  GEMPAZ  devem abster-se de proferir críticas a credos,
religiões ou pessoas, em toda e qualquer atividade desenvolvida em suas instalações
ou enquanto o representar.

Art.  7º  -  Nas  reuniões  públicas  não  poderão  ser  feitas  arrecadações  de  recursos
financeiros, por meio de coletas, rifas, bingos e afins.

Art. 8º - Em nenhum trabalho público se atenderá a solicitação de preces especiais.

Art.  9º  -  Todo  grupo  de  trabalho  ou  estudo  deverá  permitir  que  a  realização  das
tarefas seja feita sob a forma de rodízio na atribuição de funções, visando fortalecer o
espírito  de  equipe  e  a  preparação  de  colaboradores,  sempre  sob  a  coordenação  e
supervisão do responsável pela atividade.

Art.  10  -  Todos  os  frequentadores  podem  usufruir  dos  trabalhos  do  GEMPAZ,  sem
restrições de caráter racial, religiosa, social, ideológico, etário ou qualquer outro.

Art.  11  -  Os  trabalhadores  dos  grupos  devem  receber  sempre  com  cordialidade  e
atenção as pessoas neófitas que buscam o Centro, orientando-os no que for possível.

Art. 12 -  Todo freqüentador tem o direito de ingressar em qualquer grupo de trabalho
do  GEMPAZ, na condição de colaborador, desde que haja vaga no grupo e ele esteja
apto  para  a  tarefa  a  que  se  propõe,  observando-se  os  casos  previstos  neste
Regimento.

Art. 13 -  Todo participante ativo do  GEMPAZ  deve conhecer e aplicar as  orientações
deste Regimento.

Art. 14  -  É sumariamente proibido o uso de qualquer tipo de bebida alcoólica, droga
alucinógena  ou  fumo  no  interior  do  GEMPAZ  ou  em  suas  atividades  externas,  bem
como qualquer forma de conduta atentatória à moral e aos bons costumes.

Art. 15 – As reuniões mediúnicas e pública de evangelho não terão períodos de férias,
sendo de responsabilidade dos  seus  dirigentes, providenciarem  seus substitutos  pelo
período em que estiverem afastados.

Parágrafo  Único  –  Nos  meses  de  janeiro,  no  horário  dos  grupos  de  estudo,  serão
realizadas reuniões de planejamento das atividades do ano em exercício.

CAPÍTULO SEGUNDO – DAS NORMAS GERAIS DE EVANGELIZAÇÃO INFANTO JUVENIL

Art.  16  -  A  Evangelização  Infanto-Juvenil  compreenderá  a  orientação  evangélica  a
crianças  e  jovens  de  03  (três)  a  21  (vinte  e  um)  anos  segundo  orientação
metodológica da FEB e FEP (Federação Espírita do Paraná), respeitando-se as faixas
etárias.  

Art. 17 –  Os grupos de evangelização infanto-juvenil observarão um  período de férias
anual  de  final  de  ano,  com  retorno  previsto  para  o  mês  de  fevereiro.  Durante  esse período  de  férias,  será  prestada  assistência  aos  evangelizandos,  por  meio  de
atividades lúdicas, observado o artigo 14 deste Regimento.

Art. 18  –  É requisito para o exercício da função de evangelizador,  a boa vontade,  o
conhecimento  e  observância  dos  conceitos  espíritas  em  sua  conduta,  bem  como  a
freqüência  obrigatória  a  pelo  menos  um  grupo  de  estudo  do  GEMPAZ,  aos
treinamentos oferecidos, e algum dos trabalhos desenvolvidos pela entidade.

Art.  19  -  Serão  aceitos  para  Evangelização  filhos  de  espíritas  ou  não,  desde  que
aceitem as orientações do GEMPAZ.

CAPÍTULO TERCEIRO: DAS NORMAS ESPECIAIS PARA EVANGELIZAÇÃO DA JUVENTUDE


Art.  20  -  A  Evangelização  da  juventude  compreenderá  a  orientação  doutrinária
evangélica  e  filosófica  a  jovens  com  idade  entre  14  (quatorze)  e  21  anos,  segundo
orientação metodológica da FEP ou FEB, respeitando-se as faixas etárias.

Art. 21 – Revogado.

Art.  22  -  Em  ocasiões  especiais  poder-se-á  convidar  membros  da  comunidade  não
espírita para falarem de temas técnicos específicos que fujam ao conhecimento dos
participantes, o convite será efetuado após aprovação do Departamento Doutrinário.

Art. 23 -  As reuniões de Evangelização à Juventude credenciam os jovens com idade
superior  a  17(dezessete)  anos  e  com  no  mínimo  30  (trinta)  reuniões  assistidas,
controladas e registradas pelo evangelizador responsável, a participar das reuniões de
Introdução ao Estudo Mediúnico.

CAPÍTULO QUARTO – DAS NORMAS ESPECIAIS PARA EXPOSIÇÕES EVANGÉLICAS

Art.  24  –  A  exposição  pública  deverá  observar  fielmente  a  orientação  evangélica,
filosófica  e  científica  da  Doutrina  Espírita,  tendo  por  base  suas  obras  básicas,
podendo ser subsidiada por obras, mediúnicas ou não, de cunho doutrinário.

Art.  25  -  Nas  exposições  públicas  deverá  ter  uma  equipe  treinada  para  realizar  a
recepção, a direção da reunião, o passe, e o atendimento fraterno.  Esse  treinamento
será feito,  quando necessário,  pelo Departamento Doutrinário, de modo a  habilitar o
integrante a essas tarefas.

Art.  26  -  É  requisito  para  o  exercício  da  função  de  expositor  evangélico,  a  boa
vontade,  o  conhecimento  e observância dos conceitos espíritas em sua conduta, bem
como a  freqüência  obrigatória  a  pelo menos um grupo  de estudo  do  GEMPAZ, aos
treinamentos oferecidos, e a algum dos trabalhos desenvolvidos pela entidade .
Grupo Espírita Mensageiros da Paz

Art. 27 - O passe será atividade complementar dos trabalhos públicos.
Parágrafo  Único  –  No  trabalho  de  passe  deverão  ser  observadas  as  seguintes
orientações:
a) Evitar a manifestação de espíritos durante o passe;
b)  Os passistas deverão integrar-se  a  algum dos trabalhos do  GEMPAZ  e  às normas
deste regimento.
c)  A  equipe  de  passistas  deve  ser  preparada  e  freqüentar  cursos  específicos  de
treinamento e reciclagem oferecidos pelo GEMPAZ.

Art.  28  -  As  exposições  de  assuntos  doutrinários  nas  sessões  públicas  são  de
responsabilidade do dirigente do trabalho, ainda que proferidos por orador convidado.
Deve o dirigente retificar alguma citação que fira os preceitos da Doutrina Espírita.

CAPÍTULO QUINTO – DAS NORMAS ESPECIAIS PARA OS GRUPOS DE ESTUDO DA
DOUTRINA ESPÍRITA

Art.  29  –  Os  grupos  de  estudo  da  Doutrina  Espírita  serão  divididos  em:  Grupo  de
Estudo  da  Doutrina  Espírita  I  (GEDE  I),  Grupo  de  Estudo  da  Doutrina  Espírita  II
(GEDE  II),  e  Grupo  Especial,  para  estudo  de  temas  diversos  à  luz  da  Doutrina
Espírita.
a)  O  GEDE  I  terá  duração  de,  no  mínimo,  3  anos,  e  se  ocupará  dos  seguintes
assuntos:  introdução ao  estudo  da  Doutrina  Espírita,  seus  princípios  básicos,
fundamentos e propostas em seus aspectos gerais.
b)  O GEDE II  se ocupará do estudo completo das  obras básicas e subsidiárias da
Doutrina Espírita.
c)  Os Grupos de Estudos especiais serão realizados a critério da direção e/ou por
interesse de um grupo de frequentadores, com o objetivo de aprofundamento
em  algum  tema  específico,  à  luz  da  Doutrina  Espírita,  em  datas,  horários  e
períodos a ser estabelecidos pelo próprio grupo.

Art.  30  –  A  frequência  mínima  de  30  reuniões  nos  GEDEs  é  pré-requisito  para  a
participação  nas  reuniões  de  introdução  ao  estudo  mediúnico,  bem  como  estar
integrado  a  algum  dos  trabalhos  do  GEMPAZ .  O  coordenador  dos  GEDEs  deverá
controlar essa frequência.
§ Primeiro  –  Para  os grupos  de estudos especiais,  não haverá pré-requisitos, a não
ser o de ser frequentador da GEMPAZ.
§ Segundo – As reuniões de estudo serão realizadas  com a presença de, no mínimo,
três participantes, contado o dirigente.
Grupo Espírita Mensageiros da Paz

Art. 31  –  O participante que faltar mais de três (03) vezes consecutivas ou tiver mais
de  10  faltas intercaladas, sem justo motivo,  terá a  contagem  de trinta (30) reuniões
reiniciada, para efeito do art. 30 deste regimento.

Art.  32  –  Poderá  o  Departamento  Doutrinário  em  conjunto  com  o  coordenador  do
grupo  de  estudo  e  com  um  membro  da  diretoria,  em  função  do  conhecimento
irrefutável  e  notório  saber  à  cerca  da  Doutrina  Esp írita,  permitir  que  novos
frequentadores  oriundos  de  outras  casas  ou  cidades  e  engajados  ao  trabalho  do
GEMPAZ, possam ser promovidos de um grupo para outro, sem a complementação
dos estudos,  mas  sempre será necessário um mínimo de 20 reuniões no grupo
para este avanço.

CAPÍTULO SEXTO – DAS NORMAS GERAIS PARA REUNIÕES DOS GRUPOS DE
ESTUDOS E PRÁTICA DA MEDIUNIDADE

Art. 33  -  As reuniões reservadas de  estudo e prática da mediunidade  compreenderão
a orientação doutrinária, filosófica e  científica da Doutrina Espírita, por meio  do estudo
do Livro dos Médiuns, de  obras relacionadas  à mediunidade,  ou  de  outras indicadas
pelos dirigentes dos grupos, com respaldo do Departamento Doutrinário,  aliando-se  a
esse estudo os exercícios de concentração, experimentação ou prática mediúnica.
Parágrafo Único – As reuniões referidas no caput serão divididas em dois grupos:
a)  Grupo de Introdução ao Estudo Mediúnico;
b)  Grupo Avançado de Estudo Mediúnico.

Art.  34-  Os  participantes  das  reuniões  reservadas  deverão,  obrigatoriamente,
participar de,  no mínimo,  uma reunião pública por semana, realizada pelo  GEMPAZ,
na qualidade de colaborador.

Art. 35 - As reuniões com prática mediúnica deverão observar os seguintes critérios:
a) As práticas mediúnicas não deverão ser realizadas em público;
b)  Os integrantes dos grupos devem  ter o  conhecimento  e observância dos conceitos
espíritas em sua conduta, bem como a  freqüência  obrigatória a  pelo menos um grupo
de  estudo  do  GEMPAZ,  aos  treinamentos  oferecidos,  e  algum  dos  trabalhos
desenvolvidos pela entidade;
c) O médium não deverá prometer curas, nem receber presentes;
Grupo Espírita Mensageiros da Paz
d)  A  divulgação  de  comunicação  recebida  por  intermédio  mediúnico  deverá  ser
precedida de exame criterioso quanto à conveniência dessa divulgação, bem como de
sua adequação aos preceitos doutrinários.

CAPÍTULO SÉTIMO – DAS NORMAS ESPECIAIS PARA REUNIÕES DE INTRODUÇÃO AO
ESTUDO MEDIÚNICO

Art.  36  -  É  pré-requisito  para  participar  das  reuniões  de  Introdução  ao  Estudo
Mediúnico:
I – A observância do disposto no Art. 30, ressalvando-se os casos em que as pessoas
já  possuam  conhecimento  Doutrinário  comprovado,  adquirido  no  GEMPAZ  ou  fora
dele,  verificado em  entrevista pessoal com o  dirigente do Departamento Doutrinário e
com o dirigente do grupo de estudo pretendido. Essa pessoa poderá ser indicada para
participar  do  referido  grupo,  caso  haja  vaga,  ficando  a  decisão  final  sobre  a  sua
inclusão à aquiescência do grupo, levando -se em conta a afinidade entre ambas as
partes, pois necessária ao bom andamento dos trabalhos e atingimento dos fins a que
se propõe.
II – Ser trabalhador do GEMPAZ;

Art.  37  -  As  reuniões  reservadas  de  Introdução  ao  Estudo  Mediúnico  poderão  ser
realizadas  no  mesmo  dia  e  horário  das  reuniões  do  grupo  Avançado  de  Estudo
Mediúnico.

Art. 38  –  O participante que necessitar faltar,  deverá comunicar com antecedência  a
seu  dirigente  ou  a  algum  participante  do  grupo,  como  demonstração  de  respeito  à
organização e preparo da reunião.

Art.  39  –  O  participante  que  faltar  mais  de  03  (três)  vezes  no  bimestre,  sem  justo
motivo,  retornará  ao  grupo  de  estudos  que  o  credenciou  a  participar  do  grupo
reservado e nova contagem será iniciada, conforme o previsto no Art. 30.

Art. 40  –  Após  concluído ao menos um módulo de estudo no grupo  de  Introdução ao
Estudo Mediúnico e, após avaliação dos dirigentes dos grupos Iniciante e Avançado, o
participante  interessado  poderá  ingressar no  grupo  Avançado  de Estudo  Mediúnico,
caso haja vaga neste, e observada a parte final do inciso I, do Art. 36.

CAPÍTULO OITAVO – DAS NORMAS ESPECIAIS PARA REUNIÕES DO GRUPO
AVANÇADO DE ESTUDO MEDIÚNICO

Art. 41  –  O participante que necessitar faltar,  deverá comunicar com antecedência  ao
dirigente  ou  a  algum  participante  do  grupo,  como  demonstração  de  respeito  à
organização e preparo da reunião.

Art.  42  –  O  participante  que  faltar  mais  de  03  (três)  vezes  no  bimestre,  sem  justo
motivo,  retornará  ao  grupo  de  estudos  que  o  credenciou  a  participar  do  grupo
avançado, reservado e nova contagem será iniciada, conforme o previsto no Art. 30.

Art.  43  –  Após  concluído  ao  menos  um  módulo  de  estudo  no  grupo  Avançado  de
Estudo  Mediúnico  e,  após  avaliação  dos  dirigentes  dos  grupos  Avançado  e  de
Desobsessão, o participante interessado poderá  ingressar no grupo de Desobsessão,
caso esse grupo seja criado e  haja vaga neste, observada a parte final do inciso I, do
Art. 36.

CAPÍTULO NONO - DAS NORMAS ESPECIAIS PARA REUNIÕES DE DESOBSESSÃO

Art. 44  -  É pré-requisito para  participar da reunião de  Desobsessão o disposto no Art.
43.

Art.  45  -  As reuniões de Desobsessão compreenderão o atendimento espiritual aos
desencarnados, antecedido de breve explanação evangélica.
I  –  Criado  o  grupo  de  desobsessão,  o  Conselho  Deliberativo  do  GEMPAZ,
estabelecerá outras normas específicas que julgar necessárias ao seu funcionamento.
CAPÍTULO DÉCIMO – DAS NORMAS GERAIS

Art.  46  -  É  dever  de  todos  os  freqüentadores,  zelar  pelo  patrimônio  do  GEMPAZ,
evitando práticas que danifiquem seus objetos, pertences e instalações.

Art.  47  -  É dever de  todo  dirigente de  grupo  observar se  todas  as  janelas  e  portas
foram fechadas, e se as luzes e aparelhos foram desligados, ao fim de cada reunião.

Art.  48  -  As  atividades  doutrinárias  estarão  sujeitas  sempre  ao  critério  de
planejamento  anual,  que  deverá  observar  a  programação  de  eventos  municipais  e
regionais  para  a  cidade,  bem  como  a  programação  dos  órgãos  de  unificação
doutrinária que o GEMPAZ faça parte.
Parágrafo  único  –  Toda  atividade  proposta,  ainda  não  prevista  no  planejamento
anual, seja interna ou externa, somente poderá se realizar após deliberação positiva
da  Diretoria,  em  conjunto  com  o  Departamento  Doutrinário  e  o  departamento
envolvido, e em plena observância dos preceitos fundamentais da Doutrina Espírita.

Art.  49  –  Os  responsáveis  pelas  atividades,  bem  como  os  recursos  financeiros
necessários  à  sua  realização,  deverão  estar  previstos  no  planejamento  anual,
respeitando-se as restrições que os princípios doutrinários espíritas impõe à obtenção
de tais recursos,  notadamente ao que tange à moralidade, ao comércio e ao estímulo
a vícios e jogos de azar.

Art.  50  –  Este  Regimento,  aprovado  pelo  Conselho  Deliberativo  do  GEMPAZ,  em reunião realizada em 01/07/2010, entra em vigor nesta data.

Parágrafo  Único  –  A  Secretaria  do  GEMPAZ  providenciará  o  registro  deste Regimento e de sua respectiva ata, disponibilizando uma cópia em sua biblioteca e outras  cópias  em  sua  dependência.  Ademais,  entregará  uma  cópia,  mediante protocolo, a cada  dirigente  de departamento, para que  este conheça e divulgue seu conteúdo.

 


 

REGIMENTO DO DEPARTAMENTO DE SERVIÇOS SOCIAL ESPÍRITA

O presente regimento te como finalidade dar orientações gerais quanto à assistência material a ser desenvolvidas junto às pessoas selecionadas por esse departamento, objetivando a dar melhores condições de vida, orientando e amparando materialmente dentro das possibilidades do mesmo.

1) Ficará a critério do chefe do departamento à escolha das pessoas que formarão a equipe de assistência.

2) O departamento fará pelo menos uma vez por mês, reunião para avaliação e resultados das tarefas desempenhadas, bem como programação de novos trabalhos.

3) O departamento deverá ter suas atividades embasadas no conceito de Caridade, definido pela Doutrina dos Espíritos.

ATIVIDADES QUE O DEPARTAMENTO DESENVOLVERÁ

 

1 – Bazar de roupas usadas. Adquiridas por doações espontâneas, que serão selecionadas, e vendidas pelo menos, duas (02) vezes ao ano, a preços simbólicos.

2 – Atendimento às famílias atendidas pelo Projeto de Sociabilização Infantil, desenvolvido em parceria com a Edhucca – Escola de Desenvolvimento Humano Casa do Caminho: será encaminhado para esse departamento as fichas das crianças e, em dias programados com antecedência, se farão realizar visitas às famílias, com a assistente social e psicóloga, das mesmas e orientando aos pais a necessidade e importância do Evangelho de Jesus na Vida de todos nós.

Nessa visita se verificará as condições de vida dos mesmos elaborando-se posteriormente as formas de assistência sem interferência no livre arbítrio pessoal.

Posteriormente poderão ser convidadas as mães para o Clube de Mães, trabalho desenvolvido pela Edhucca – Escola de Desenvolvimento Humano Casa do Caminho.


 

DEPARTAMENTO DE PATRIMÔNIO

 

DEPARTAMENTO LIGADO DIRETAMENTE À PRESIDÊNCIA DO GRUPO ESPÍRITA MENSAGEIROS DA PAZ

REGIMENTO INTERNO

Art. 1º. O departamento de patrimônio do Grupo Espírita Mensageiros da Paz, reger-se-á pelos seguintes dispositivos :

 a) Cabe ao departamento de patrimônio a manutenção e guarda, preventiva e corretiva de todos os bens móveis e imóveis do Grupo Espírita Mensageiros da Paz;

b) Para tanto, poderá nomear seus colaboradores, objetivando o cuidado necessário com o patrimônio;

c) Será de responsabilidade inicial desse departamento o acompanhamento de qualquer obra no imóvel, seja novo ou reforma nas instalações físicas;

d) Da movimentação financeira do departamento, que poderá dar-se, visto verba destinada pela presidência para aquisição de materiais em geral, deverá o departamento de patrimônio fazer relatório, em três vias, destinando-se da seguinte maneira: uma para Presidência, uma para Tesouraria e uma para Arquivo de departamento;

e) Manter arquivo em dia e em ordem com todas as anotações inerentes à atividade.


BIBLIOTECA ESPÍRITA

Órgão ligado ao departamento doutrinário e departamento de difusão doutrinária, do Grupo Espírita Mensageiros da Paz.

REGIMENTO INTERNO

Art. 1º. Compete à Biblioteca do Grupo Espírita Mensageiros da Paz:

a) Cadastrar os livros, obedecendo, em linhas gerais:

- Confeccionar uma lista, onde conste:

Título da obra;

Quantia de obras com mesmo título; entre parênteses o nº correspondente ao mesmo no dorso do livro para melhor localização;

Autor, psicógrafo ou autor espiritual.

Classificação (doutrinário, romance, mensagens, infantil, poesias, etc..);

- Usar ficha cadastro, onde conste :

Título da obra;

Autor, psicógrafo ou autor espiritual.

Número de livro que corresponde ao da lista, para melhor localização;

Data de empréstimo, nome do sócio e data de anotação para devolução do livro;

- Esta ficha cadastro ficará na contracapa final do livro.

Esta ficha, quando o livro é emprestado deve ficar na Biblioteca para controle da devolução;

b) Comunicar ao sócio(a) da Biblioteca que o limite máximo para renovação do empréstimo do livro que está em seu poder é de 15 dias, sendo que o sócio(a) tem o direito a emprestar até duas obras de cada vez.

- Possuir um Bibliotecário, que lhe cabe a responsabilidade de :

- Verificar o controle do empréstimo e devolução dos livros;

- Carimbar o livro com o nome do Grupo Espírita Mensageiros da Paz;

- Encapar os livros para melhor conservação e colocar o número correspondente a lista(índice) no dorso do livro para melhor localização;

- Cadastrar os sócios da Biblioteca em uma ficha controle, onde conste:

Nome completo do sócio(a);

Endereço completo (rua, nº, bairro) e telefone se o sócio(a) possuir;

Nome do livro que está lendo ou já leu;

- Esta ficha deve ser mantida e arquivo de número crescente da letra do alfabeto, conforme a primeira letra do nome do sócio(a) na Biblioteca;

c) Aquisição dos livros da Biblioteca é feito através de compra, doações, sendo que,

- os livros comprados têm a nota fiscal em nome do Grupo Espírita Mensageiros da Paz;

- Todos os livros, comprados ou doados, serão selecionados pelo departamento doutrinário para melhor divulgação da doutrina Espírita.

Grupo Espírita Mensageiros Da Paz

Corria o ano de 1951 e, na jovem cidade de Apucarana, um grupo de homens com visão além do seu tempo reúnem-se para formar aquele que seria o primeiro núcleo espírita da cidade, que se chamou Centro Espírita de Apucarana.

 

A primeira diretoria do Centro, eleita em 01/05/1951, foi constituída pelos seguintes membros:

  • Presidente: Antonio Maria Rodrigues;
  • Vice-presidente: Antonio Rodrigues dos Santos;
  • Primeiro-secretário: Wilson Rodrigues dos Santos;
  • Segundo-secretário: Salvador Viana;
  • Primeiro-tesoureiro: Amador Godoy Rodrigues;
  • Segundo-tesoureiro: José Furlan.

 

Em 16 de julho de 1953 o Centro passa a se denominar Centro Espírita Mensageiros da Paz e, em 27 de agosto de 1960, passa a chamar-se, definitivamente, Grupo Espírita Mensageiros da Paz.

 

Em 29 de agosto de 1972, o então departamento do Grupo Espírita Mensageiros da Paz, Albergue Noturno Casa do Caminho, passa a ter personalidade jurídica própria, com um conselho composto por membros indicados pelo Grupo Espírita Mensageiros da Paz.

 

Atualmente, o Grupo Espírita Mensageiros da Paz desenvolve as seguintes atividades:

  • Duas reuniões públicas: às terças-feiras, 20h00min e às quintas-feiras, 15h00min;
  • Grupos de estudos sobre filosofia, ciência e religião.;
  • Grupo de estudos mediúnicos;
  • Livraria Espírita Sementeira de Luz;
  • Evangelização Espírita Infanto-Juvenil;
  • Juventude Espírita Humberto de Campos;
  • Clube do Livro o Semeador com mais de 10.000 livros entregues;
  • Biblioteca Espírita “Sementeira de Luz”;
  • Biblioteca Espírita Infantil;
  • Aos sábados, em parceria com a Edhucca, mantém projeto de sociabilização infantil, com evangelização, oficinas diversas e alimentação complementar para suas famílias, atendendo em média 50 crianças.

COMEMORAÇÃO DE 60 ANOS DO MENSAGEIROS DA PAZ

Em 31 de maio de 2011 comemoramos 60 anos de atividades do Grupo Espírita Mensageiros da Paz.

Na abertura da reunião tivemos a palestra com o tema "Jesus e as mulheres" ministrada por Tânia de Assunção Caldeira, trabalhadora da casa.

Em seguida, a apresentação de vídeo com um resumo histórico mostrando momentos do Grupo Mensageiros da Paz.

Assista aos vídeos e conheça um pouco da história do Gempaz.

 


Dica: Para visualizar o vídeo sem "interrupções", clique no botão "Play" para iniciar e clique novamente para "Pausar". Aguarde o carregamento do vídeo. Acompanhe pela barra ao lado do botão "Play - Pause". Ao completar(ou quase) o carregamento clique em "Play" para assistir.

Para visualizar em "Tela cheia", clique na palavra "Dim Lights" no canto inferior direito do vídeo.


História do Gempaz - parte 1

História do Gempaz - parte 2

 

GRUPO ESPÍRITA MENSAGEIROS DA PAZ

REGIMENTO INTERNO

 


 

REGIMENTO INTERNO DO GRUPO ESPÍRITA MENSAGEIROS DA PAZ

 

O presente REGIMENTO INTERNO tem como finalidade precípuas a unidade e a coerência doutrinária e a organização em todos os âmbitos de atividades desenvolvidas no "GRUPO ESPÍRITA MENSAGEIROS DA PAZ", buscando a harmonia entre os grupos e participantes e um conseqüente fortalecimento da casa como um todo, a fim de que atinja os objetivos a que se propõe.

 

CAPÍTULO PRIMEIRO - DIRETRIZES GERAIS

 

Art. 1º - Toda e qualquer atividade doutrinária da Casa, seja metódica, periódica ou esporádica, deverá ter como base fundamental as Obras de Allan Kardec, subsidiadas por obras de origem mediúnicas ou não de notório valor doutrinário, a critério do Conselho Administrativo do Grupo Espírita Mensageiros da Paz.

 

Art. 2º - São terminantemente vedados nas atividades do Centro à prática de rituais de qualquer natureza e o culto de imagens de Espíritos ou pessoas, devendo-se observar, nas preces proferidas na abertura e encerramento das sessões públicas ou reservadas, a critério da concisão e simplicidade, conforme preceituado em "Orientação ao Centro Espírita - 2006", aprovado pelo Conselho federativo Nacional.

 

Art. 3º - Toda programa doutrinário da Casa deverá, antes de posto em execução, ser examinado pelo Departamento Doutrinário, que se manifestará expressamente sobre sua conveniência, necessidade e utilidade, bem como sobre sua coerência com os postulados da Doutrina Espírita. Após a análise e manifestação do Departamento Doutrinário o Conselho de Administração deliberará e em caso de manifesta necessidade de ajustes, emendas, modificações ou adaptações, o Departamento Doutrinário, ouvindo o setor ou grupo interessado, elaborará anteprojeto do programa assim retificado, para deliberação do Conselho de Administração, único órgão competente para decidir sobre a aprovação ou não da matéria em exame.

 

Art. 4º - Aplica-se o mesmo procedimento de que trata o artigo anterior na criação de novos grupos de trabalho na casa, cujo início de atividades, sempre sujeito a um período de experiência, dependerá de prévia deliberação do Conselho Deliberativo em consonância com o Departamento Doutrinário.

 

Art. 5º - Os horários das diversas atividades devem ser criteriosamente seguidos, tanto o de início quanto o de encerramento, a fim de que uma atividade não interfira na outra.

 

Art. 6º - Os trabalhadores da casa devem abster-se de proferir críticas a credos, religiões ou pessoas.

 

Art. 7º - Nas reuniões públicas não poderão ser feitas arrecadações de donativos por meio de coletas, rifas, tômbolas ou qualquer outro meio.

 

Art. 8º - Em nenhum trabalho público se atenderá a solicitação de preces especiais.

 

Art. 9º - Todo grupo de trabalho deverá permitir que a realização das tarefas seja feita sob a forma de rodízio na atribuição de funções, visando a fortalecer o espírito de equipe e a preparação de colaboradores.

 

Art. 10º - Todos os freqüentadores podem usufruir dos trabalhos da Casa, sem restrições de caráter racial, religiosa, social, ideológico, etário ou qualquer outro.

 

Art. 11º - Os trabalhadores dos grupos devem receber sempre com cordialidade e atenção as pessoas neófitas que buscam o Centro, orientando-os no que for possível.

 

Art. 12º - Todo o freqüentador tem o direito de ingressar em qualquer grupo de trabalho da Casa, na condição de colaborador, desde que haja vaga no grupo e ele esteja apto para a tarefa a que se propõe, ressalvando-se os casos previstos neste Regimento.

 

Art. 13º - Todo participante ativo da Casa deve conhecer e aplicar as Orientações deste Regimento.

 

Art. 14º - É sumariamente proibido o uso de qualquer tipo de bebida alcoólica, droga alucinógena ou fumo no interior do Centro.

 

Art. 15º - Todas as reuniões com exceção às de Infanto-Juvenil não terão períodos de férias, sendo de responsabilidade dos dirigentes o estabelecimento de seus substitutos temporários.

 

↑Topo

 

CAPÍTULO SEGUNDO - NORMAS GERAIS DE EVANGELIZAÇÃO INFANTO JUVENIL

 

 

Art. 16º - A Evangelização Infanto-Juvenil compreenderá a orientação Evangélica a crianças de 3 (três) a 21 (vinte e um) anos segundo orientação metodológica da FEB e FEP, respeitando-se as faixas etárias.

 

Art. 17º - Será observado um período de férias anual de final de ano em concordância com o período de férias coletivas.

 

Art. 18º - O evangelizador deverá se caracterizar pela boa vontade, conhecimento, prática Espírita e freqüência aos trabalhos da Casa.

 

Art. 19º - Serão aceitos para Evangelização filhos de espíritas ou não, desde que aceitem as orientações da casa, em acordo com a Doutrina Espírita.

 

 

↑Topo

 

CAPÍTULO TERCEIRO: NORMAS ESPECIAIS PARA EVANGELIZAÇÃO DA JUVENTUDE

 

 

Art. 20º - A Evangelização da Juventude compreenderá a Orientação Doutrinária Evangélica e Filosófica a jovens com idade superior a 14(quatorze) anos, através do Estudo do Evangelho Segundo o Espiritismo e o Livro dos Espíritos.

 

Art. 21º - As reuniões de Evangelização à Juventude serão preparadas, organizadas e dirigidas por jovens, tendo um coordenador adulto indicado pelo Departamento Doutrinário que intervirá apenas na manutenção das Orientações Kardecistas ou para dirimir dúvidas.

 

Art. 22º - Em ocasiões especiais poder-se-á convidar, membros da comunidade não espírita para falarem de temas técnicos específicos que fujam ao conhecimento dos participantes, o convite será efetuado após aprovação do Departamento Doutrinário.

 

Art. 23º - As reuniões de Evangelização à Juventude credenciam os Jovens com idade superior a 17(dezessete) anos e com no mínimo 30(trinta) reuniões assistidas com no máximo de 10% (dez por cento) de faltas controladas em caderno próprio, a participar das reuniões de Introdução ao Estudo Mediúnico.

 

 

↑Topo

 

CAPÍTULO QUARTO - NORMAS ESPECIAIS PARA REUNIÕES EVANGÉLICAS PARA ADULTOS

 

 

Art. 24º - A Evangelização de Adultos compreenderá a orientação Evangélica, Filosófica, Doutrinária e a orientação pessoal individual, através do Estudo e Prática do Evangelho segundo o Espiritismo e Livro dos Espíritos.

 

Art. 25º - As reuniões Evangélicas para adultos deverão ter equipe treinada para entrevistas e que domine satisfatoriamente os preceitos da Doutrina Espírita. O treinamento será feito quando necessário pelo Departamento Doutrinário.

 

Art. 26º - As reuniões Evangélicas para adultos devem ter equipe responsável pela recepção das pessoas que buscam a Casa pela primeira vez.

 

Art. 27º - O passe será atividade complementar dos trabalhos públicos. O passe deverá: a) evitar a manifestação de Espíritos durante o passe; b) integrar-se à Casa e as normas estabelecidas. A equipe de passistas deve ser bem preparada e equilibrada e freqüentar cursos específicos de treinamento e reciclagem oferecidos pela Casa.

 

Art. 28º - As exposições de assuntos doutrinários nas sessões públicas de Evangelização são de responsabilidade do dirigente do trabalho, ainda que proferidos por orador convidado. Recomenda-se a retificação por parte do dirigente, caso ocorra alguma citação que fira os preceitos da Doutrina.

 

Art. 29º - As reuniões de evangelização para adultos é pré-requisito para a participação nas reuniões de Introdução ao Estudo Mediúnico. O pretendente deverá participar de no mínimo 30(trinta) reuniões com no máximo 10% (dez por cento) de faltas controladas em caderno próprio.

 

 

↑Topo

 

CAPÍTULO QUINTO - NORMAS ESPECIAIS PARA REUNIÕES DE INTRODUÇÃO AO ESTUDO MEDIÚNICO

 

 

Art. 30º - As reuniões reservadas de Introdução ao Estudo Mediúnico compreenderão a Orientação Doutrinária, Filosófica e Científica da Doutrina Espírita através do estudo do Evangelho Segundo o Espiritismo ou Livro dos Espíritos e Livro dos Médiuns, aliando-se o exercício de experimentação mediúnica.

 

Art. 31º - É pré-requisito para participar nas reuniões de Introdução ao Estudo Mediúnico o disposto no Art. 29º - ressalvando-se as pessoas que já possuem conhecimento Doutrinário comprovado, adquirido na casa ou fora dela, que após entrevista pessoal com o Dirigente do Departamento Doutrinário e com o Dirigente do Grupo de Estudos pretendido e que possua vaga, o mesmo poderá ser recomendado para participar, ficando a decisão final sobre a inclusão do indivíduo à aquiescência do grupo referido, levando-se em conta a afinidade entre ambas as partes.

 

Art. 32º - A reunião de Introdução ao Estudo Mediúnico é pré-requisito para a participação nas Reuniões Mediúnicas e Reuniões de Desobsessão. Para ser convidado a participar o pretendente deverá ter bom conhecimento Doutrinário, domínio de sua mediunidade ou real capacidade de doutrinação.

 

 

↑Topo

 

CAPÍTULO SEXTO - NORMAS ESPECIAIS PARA REUNIÕES MEDIÚNICAS E DESOBSESSÃO

 

 

Art. 33º - As Reuniões Mediúnicas são de caráter reservado e compreenderão o Estudo e Prática Mediúnica através do estudo do Livro dos Médiuns e obras subsidiárias aprovadas pelo Departamento Doutrinário e os exercícios mediúnicos.

 

Art. 34º - É pré-requisito para a Reunião Mediúnica e a Reunião de Desobsessão são o disposto no Art. 32º.

 

Art. 35º - As reuniões de Desobsessão compreenderão o atendimento espiritual aos desencarnados, antecedido de breve explanação Evangélica.

 

 

↑Topo

 

CAPÍTULO SÉTIMO - NORMAS GERAIS ESPECIAIS

 

 

Art. 36º - Os participantes das reuniões reservadas deverão obrigatoriamente participar de no mínimo uma reunião pública por semana, realizada pela Casa, na qualidade de colaborador.

 

Art. 37º - As reuniões com prática mediúnica deverão observar os seguintes critérios: a) as práticas mediúnicas não deverão ser realizadas em público; b) os integrantes dos grupos devem possuir conhecimentos doutrinários, participar dos trabalhos e cursos promovidos pela Casa; c) o médium não deverá prometer curas; d) a divulgação de comunicação recebida deverá ser precedida de exame criterioso sob o ponto de vista doutrinário da matéria.

 

Art. 38º - É dever de todos zelar pelo patrimônio do Centro, evitando práticas que danifiquem seus objetos, pertences e instalações.

 

Art. 39º - É dever de todo dirigente de grupo observar se todas as janelas e portas foram fechadas e as luzes e aparelhos desligados, ao fim de cada trabalho.

 

Art. 40º - As atividades doutrinárias adotarão sempre o critério de planejamento anual, inserindo-se nos trabalhos de igual natureza programados para a cidade pelos órgãos regionais e locais de unificação que o Centro faça parte.

 

Parágrafo Único - a obra "Orientação ao Centro Espírita - 2006", editada pela FEB, será levada em conta subsidiariamente, na formulação dos programas de trabalho públicos e privados da Casa.

 

Art. 41º - Este Regimento, aprovado pelo Conselho Administrativo do Grupo Espírita Mensageiros da Paz em reunião realizada em 06/02/2007, entra em vigor nesta data.

 

Parágrafo Único - A Secretaria do Grupo providenciará cópias em número suficiente para todos os dirigentes e trabalhadores da casa tomam conhecimento.

 

 

↑Topo

 

NORMAS ESPECIAIS PARA OS GRUPOS DE ESTUDO DA DOUTRINA ESPÍRITA

 

Os grupos de estudo da Doutrina Espírita serão classificados em três níveis, a saber: Iniciantes, Intermediários, Avançado e Especiais:

 

1. O nível de Iniciantes será composto por quatro unidades de estudo com 71 reuniões, assim distribuídas:

  • " Unidade I - Introdução ao Estudo da Doutrina Espírita com 12 aulas;
  • " Unidade II - Princípios Básicos da Doutrina Espírita com 27 aulas;
  • " Unidade III - Programa I - O Espiritismo: Seus fundamentos e suas propostas com 30 aulas;
  • " Unidade III - Programa II - Estudos acerca da Mediunidade - Aspectos Gerais da Mediunidade com 22 aulas.

 

2. O nível Intermediário será composto de cinco unidades de estudo com 88 reuniões, assim distribuídas:

  • " Unidade I - Aspectos Filosóficos com 14 aulas;
  • " Unidade II - Aspectos Filosóficos com 14 aulas;
  • " Unidade III - Aspectos Científicos com 20 aulas;
  • " Unidade IV - Aspectos Científicos com 20 aulas;
  • " Unidade V - Aspecto Religioso com 20 aulas.

 

3. O nível Avançado se caracteriza pelo estudo de obras completas que visem o aprofundamento dos conhecimentos nas áreas da visão religiosa, filosófica e científica da doutrina espírita.

 

4. Os estudos especiais serão realizados a critério da direção e por interesse de um grupo de freqüentadores, com o objetivo de aprofundamento em uma área do conhecimento ou mesmo estudo de uma obra, poderá ser efetuado em um dia especial ou em uma seqüência de dias previamente estabelecidos. Para estes grupos não haverá pré-requisitos, a não ser o de ser freqüentador da casa.

 

5. Para que um freqüentador da Casa passe do grupo de Iniciantes para o Intermediário e deste para o Avançado, será necessário o comparecimento em todas as reuniões de seu grupo com no máximo 10(dez) por cento de faltas e ser ativo colaborador nas diversas atividades da casa.

 

6. Poderá o Depto. Doutrinário em conjunto com os coordenadores dos Grupos de estudos, em função do conhecimento irrefutável e notório saber à cerca da Doutrina Espírita, fazer com que novos freqüentadores oriundos de outras casas ou cidades e engajados ao trabalho da casa, possam ser promovidos de um grupo para outro, sem a complementação dos estudos. Mas sempre será necessário um mínimo de 20 reuniões no grupo para este avanço.

 

↑Topo

 


DEPARTAMENTO ASSISTENCIAL

 

O presente regimento te como finalidade dar assistência material e espiritual às pessoas selecionadas por esse departamento,objetivando a dar melhores condições de vida, orientando e amparando materialmente dentro das possibilidades do mesmo.

Ficará a critério do chefe do departamento à escolha das pessoas que formarão a equipe de assistência.

O departamento fará pelo menos uma vez por mês, reunião para avaliação e resultados das tarefas desempenhadas, bem como programação de novos trabalhos.

O departamento deverá ter suas atividades embasadas no conceito de Caridade, definido pela Doutrina dos Espíritos.

 

ATIVIDADES QUE O DEPARTAMENTO DESENVOLVERÁ

1 - Bazar de roupas usadas. Adquiridas pela CAMPANHA AUTA DE SOUZA e doações espontâneas, que serão selecionadas, e vendidas pelo menos, 4 vezes ao ano, a preços simbólicos, atendendo às pessoas que sentem atraídas pela promoção.

2 - Atendimento às famílias carentes da Evangelização. Será, passado para esse depto. As fichas das crianças e em hora oportuna se farão realizar visitas às famílias das mesmas e orientando aos pais a necessidade e importância do Evangelho de Jesus na Vida de todos nós.

Nessa visita se verificará as condições de vida dos mesmos elaborando-se posteriormente as formas de assistência sem interferência no livre arbítrio pessoal.

Posteriormente poderão ser convidadas as mães para trabalhos manuais desenvolvidos pelo Centro.

 

↑Topo

 


 

BIBLIOTECA ESPÍRITA

 

Órgão ligado ao departamento doutrinário e departamento de difusão doutrinária, do Grupo Espírita Mensageiros da Paz.

 

REGIMENTO INTERNO

 

Art. 1º) Compete à Biblioteca do Grupo Espírita Mensageiros da Paz:

 

a) Cadastrar os livros, obedecendo, em linhas gerais:

- Confeccionar uma lista, onde conste:

Título da obra;

Quantia de obras com mesmo título; _ entre parênteses o nº correspondente ao mesmo no dorso do livro para melhor localização;

Autor, psicógrafo ou autor espiritual.

Classificação (doutrinário, romance, mensagens, infantil, poesias, etc..);

- Usar ficha cadastro, onde conste :

Título da obra;

Autor, psicógrafo ou autor espiritual.

Número de livro que corresponde ao da lista, para melhor localização;

Data de empréstimo, nome do sócio e data de anotação para devolução do livro;

- Esta ficha cadastro ficará na contracapa final do livro.

Esta ficha, quando o livro é emprestado deve ficar na Biblioteca para controle da devolução;

 

b) Comunicar ao sócio(a) da Biblioteca que o limite máximo para renovação do empréstimo do livro que está em seu poder é de 15 dias, sendo que o sócio(a) tem o direito a emprestar até duas obras de cada vez.

- Possuir um Bibliotecário, que lhe cabe a responsabilidade de :

- Verificar o controle do empréstimo e devolução dos livros;

- Carimbar o livro com o nome do Grupo Espírita Mensageiros da Paz;

- Encapar os livros para melhor conservação e colocar o número correspondente a lista (índice) no dorso do livro para melhor localização;

- Cadastrar os sócios da Biblioteca em uma ficha controle, onde conste:

Nome completo do sócio (a);

Endereço completo (rua, nº, bairro) e telefone se o sócio(a) possuir;

Nome do livro que está lendo ou já leu;

- Esta ficha deve ser mantida e arquivo de número crescente da letra do alfabeto, conforme a primeira letra do nome do sócio(a) na Biblioteca;

 

c) Aquisição dos livros da Biblioteca é feito através de compra, doações, sendo que,

- os livros comprados têm a nota fiscal em nome do Grupo Espírita Mensageiros da Paz;

- Todos os livros, comprados ou doados, é feito uma triagem pelo departamento doutrinário para melhor divulgação da doutrina Espírita.

 

↑Topo

 


 

DEPARTAMENTO DE PATRIMÔNIO

DEPARTAMENTO LIGADO DIRETAMENTE À PRESIDÊNCIA DO GRUPO ESPÍRITA MENSAGEIROS DA PAZ

REGIMENTO INTERNO

 

Artigo 1º) O departamento de patrimônio do Grupo Espírita Mensageiros da Paz, reger-se-á pelos seguintes dispositivos :

 

a) Cabe ao departamento de patrimônio a manutenção e guarda, preventiva e corretiva de todos os bens móveis e imóveis do Grupo Espírita Mensageiros da Paz;

b) Para tanto, poderá nomear seus colaboradores, objetivando o cuidado necessário com o patrimônio do Grupo Espírita Mensageiros da Paz;

c) Aquisição de material de limpeza necessária, e ativa participação de outros bens móveis é de responsabilidade deste departamento (imóveis);

d) Será de responsabilidade inicial desse departamento o acompanhamento de qualquer obra no imóvel, seja novo ou reforma nas instalações físicas;

e) Da movimentação financeira do departamento, que poderá dar-se, visto verba destinada pela presidência para aquisição de materiais em geral, deverá o departamento de patrimônio fazer relatório, em três vias, destinando-se da seguinte maneira: uma para Presidência, uma para Tesouraria e uma para Arquivo de departamento;

f) Manter arquivo em dia e em ordem com todas as anotações inerentes à atividade.

 

↑Topo

Gempaz - Diretoria 2009/2010

Publicado em: Diretoria

Grupo Espírita Mensageiros Da Paz

 

2009/2010 - Equipe de Trabalho do Gempaz

Diretoria:

  • Presidente: Tânia Santos Assunção Caldeira;
  • Vice-presidente: Maria Aparecida Mendonça Dalla Costa;
  • Tesoureiro: Rodrigo Yoshiaki Hirata;
  • Secretária: Denira Caroline Gorla Hirata.

 

Conselho Deliberativo:

  • Alexandre dos Santos;
  • Janaina Dalla Costa;
  • Jânio Dalla Costa;
  • Maria Aparecida Mendonça Dalla Costa;
  • Maria Tereza Camilios dos Santos;
  • Nelsi Ribeiro da Costa de Souza;
  • Tânia Santos Assunção Caldeira.

 

Departamentos:

  • Departamento Doutrinário – Alexandre dos Santos
  • Departamento de Divulgação – Maria Aparecida Mendonça Dalla Costa
  • Departamento de Evangelização da Infância e Juventude – Janaina Dalla Costa, Cristiane Aparecida Rossati e Daiara Jesus de Souza
  • Departamento do Serviço Social Espírita – Maria Tereza Camilios dos Santos
  • Departamento de Atendimento Espiritual – Nelsi Ribeiro da Costa de Souza
  • Departamento de Patrimônio – José Carlos Sandy

 

Atualmente o Grupo atende na Rua Clotário Portugal nº 871, Centro, na cidade de Apucarana, PR.

Gempaz - Diretoria 2011/2012

Publicado em: Diretoria

Grupo Espírita Mensageiros Da Paz

2011/2012 - Equipe de Trabalho do Gempaz

Diretoria:

  • Presidente: Nelsi Ribeiro da Costa de Souza
  • Vice-presidente: Rosania Acacio Geton
  • Tesoureira: Sueli Biazi
  • Secretária: Tânia Santos Assunção Caldeira

 

Conselho Deliberativo:

  • Aida Assunção
  • Alexandre dos Santos
  • Ana Maria dos Santos
  • Clelia Assunção
  • Janaina Dalla Costa
  • Nelsi Ribeiro da Costa de Souza
  • Rosania Acacio Geton

 

Departamentos:

  • Departamento Doutrinário: Marcio Travain
  • Departamento de Comunicação Social: Fernando Gabriel
  • Departamento de Evangelização da Infância e Juventude: Rogèrio Forner
  • Departamento do Serviço Social Espírita: Maria Tereza Camilios dos Santos
  • Departamento de Atendimento Espiritual: Nelsi Ribeiro da Costa de Souza
  • Departamento de Patrimônio: Carlos

 

Atualmente o Grupo atende na Rua Clotário Portugal nº 871, Centro, na cidade de Apucarana, PR.

Gempaz - Diretoria 2013/2014

Publicado em: Diretoria

Grupo Espírita Mensageiros Da Paz

2013/2014 - Equipe de Trabalho do Gempaz

Gestão: 21/04/2013 até 30/04/2015

Diretoria:

  • Presidente: Marcio Travain
  • Vice-presidente: André Monteiro Neto
  • Tesoureiro: Adauto Divonsir Rossi, até 06/04/2014 / A partir daí: Silvana Nunes Vieira
  • Secretária: Sarah Carolina Siqueira

 

Conselho Deliberativo:

  • Clélia Santos Assunção
  • Gisele Volk Cassangi de Paula
  • André Monteiro Neto
  • Maria Tereza Camilios dos Santos
  • Márcio Travain
  • Rosania Acácio Geton
  • Tânia Santos Assunção Caldeira

Conselho Fiscal:
Membros Efetivos:

  • Alexandre dos Santos
  • Fernando Gabriel de Melo
  • Rogerio Forner

Membros Suplentes:

  • José Carlos Sandy
  • Mauricio Rawski de Paula
  • Valmir Alves de Souza

Departamentos:

  • Depto. Doutrinário / ESDE: Rosania Acacio Geton
  • Depto. Estudo e Educação Mediunidade: Tânia Santos Assunção Caldeira
  • Departamento de Comunicação Social: Fernando Gabriel de Melo
  • Depto. Evangelização da Infância e Juventude: Rogério Forner
  • Departamento do Serviço de assistência
  • e Promoção Social Espírita: Maria Tereza Camilios dos Santos
  • Departamento de Atendimento Espiritual: Nelsi Ribeiro da Costa de Souza
  • Departamento de Patrimônio: Carlos Alberto Ferreira Santos
  • Departamento de Unificação: Valmir Alves de Souza


Atualmente o Grupo atende na Rua Clotário Portugal nº 871, Centro, na cidade de Apucarana, PR.

GRUPO ESPIRITA MENSAGEIROS DA PAZ

CNPJ/MF N° 73.313.843/0001-11

 

ESTATUTO SOCIAL - ÍNDICE:

 

 


 

GRUPO ESPIRITA MENSAGEIROS DA PAZ

CNPJ/MF N° 73.313.843/0001-11

 

ATA DA ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA REALIZADA EM 09 DE MAIO DE 2004.

 

Aos nove dias do mês maio do ano de dois mil e quatro, às 17 hrs., na sede social do GRUPO ESPÍRITA MENSAGEIROS DA PAZ, na Rua Desembargador Clotário Portugal n° 871, na cidade de Apucarana, Estado do Paraná, convocados por protocolo de convocação, reuniram-se os sócios, da entidade religiosa para as deliberações sobre a ordem do dia constante da mencionada convocação, adiante transcrita. Assinado o Livro de Presença e nele consignada às indicações de Lei, constatou-se a presença dos sócios representando o quorum necessário para a instalação da Assembléia, pelo que a Sxta. Janaina Dalla Costa, assumiu a Presidência, nos termos estatutários convidando a mim Tânia Santos Assunção Caldeira, para servir de secretária, ficando assim constituída a mesa. Declarada instalada a Assembléia, determinou a Presidente que se procedesse a leitura do edital de convocação, o que fiz a seguir, o qual é do seguinte teor: "GRUPO ESPÍRITA MENSAGEIROS DA PAZ - C.N.P.J./MF 73.313.843/0001-11 - CONVOCAÇÃO - ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA - Ficam convidados os sócios do GRUPO ESPÍRITA MENSAGEIROS DA PAZ, a se reunirem para a Assembléia Geral, no dia 09/05/2004, às 17 hrs., na sede social na Rua Clotário Portugal n° 871, Centro, na cidade de Apucarana, Estado do Paraná, a fim de deliberarem sobre a seguinte ordem do dia: ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA: a) Alteração total do Estatuto Social em função do Novo Código Civil, Lei 10.406 de 10/01/2002 e adequação à nova estrutura da entidade, b) Outros assuntos de interesse social, Apucarana-PR, 02 de maio de 2004 - Janaina Dalla Costa - Vice-presidente Conselho Deliberativo". Iniciando o item "a", a Presidente colocou sob votação o novo estatuto, da entidade, que devido à mudança do Novo Código Civil, Lei 10.406 de 2002, e à nova estrutura da sociedade, fez-se necessária atualização do mesmo. Após os devidos esclarecimentos, o novo estatuto social foi aprovado por unanimidade. Na seqüência foi exposto aos presentes sobre a renuncia do Presidente Odair Floriano Roque que por motivos de ordem particular encontra-se impossibilitado de continuar na presidência da entidade; foi exposto sobre a secretária Márcia Caznoca que, igualmente, por motivos de ordem particular não mais poderá continuar no cargo, os quais serão substituídos pelos indicados em reunião do Conselho Deliberativo. Dando seqüência foi colocada em votação a construçâo de uma rampa de acesso à entidade, atendendo às pessoas que encontram dificuldades de locomoção. Colocada à matéria em discussão foi aprovada por unanimidade. A seguir a Presidente colocou a palavra para quem quisesse dela fazer uso. Não houve manifestação. A presidente, então, suspendeu os trabalhos, com a prece de encerramento, com o tempo necessário para a lavratura da ata e da transcrição, na integra, do novo Estatuto Social. Reaberta a sessão, foi lida, aprovada e no final assinada por todos.

 

 

 

↑Índice


 

 

 

Grupo Espírita Mensageiros da Paz

Estatuto Social

 

ATA DA ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA REALIZADA EM 09 DE MAIO DE 2004.

 

 

CAPÍTULO I

 
 

DENOMINAÇÃO, FINALIDADE, SEDE E DURAÇÃO DA SOCIEDADE.

 

 

Artigo 1º - O GRUPO ESPÍRITA MENSAGEIROS DA PAZ, situado na Rua Desembargador Clotário Portugal, n° 871, A, Centro, na cidade de Apucarana, Estado do Paraná, onde tem sua sede e foro, é uma organização religiosa, nos termos do inciso IV, do artigo 44 do Novo Código Civil, Lei, 10.406/2002, atualizado pela Lei n° 10.825 de 22/12/2003, sem fins lucrativos, que se regerá por este Estatuto e pela legislação que lhe for aplicável.

 

Parágrafo único - 0 GRUPO ESPÍRITA MENSAGEIROS DA PAZ, fundado em 20 de novembro de 1.951, é uma sociedade com personalidade jurídica adquirida com a inscrição do seu primitivo estatuto social arquivado no Cartório de Títulos e Documentos de Apucarana-PR., sob n° 138 de 12 de outubro de 1964.

 

 

 

Artigo 2º - O GRUPO ESPÍRITA MENSAGEIROS DA PAZ tem tempo de duração indeterminado e os seguintes objetivos:

 
  • I - Dedicar-se ao estudo e prática da Doutrina Espirita, no seu tríplice aspecto filosófico, científico e religioso consoante os princípios codificados por Allan Kardec;
  • II - Difundir a Doutrina Espírita por todos os meios ao seu alcance;
  • III - Exercer atividades de natureza filantrópica e assistencial á luz da Doutrina Espírita.

 

 

↑Índice


 

CAPÍTULO II

DOS ÓRGÃOS DIRIGENTES

 

 

 

Artigo 3º - São órgãos dirigentes do GRUPO ESPÍRITA MENSAGEIROS DA PAZ:

 
 
  • I - Assembléia Geral;
  • II - Conselho Deliberativo;
  • IV - Diretoria Executiva.
 

 

 

Parágrafo único - Os membros do Conselho Deliberativo e da Diretoria Executiva, exercerão seus cargos ou mandatos, de forma gratuita, ficando vedada à remuneração a qualquer título.

 

 
 
 

SEÇÃO I

DA ASSEMBLÉIA GERAL

 

 

 

Artigo 4º - A Assembléia Geral, é órgão soberano do GRUPO ESPÍRITA MENSAGEIROS DA PAZ, e será constituída pela reunião dos sócios efetivos e colaboradores, em pleno gozo de seus direitos.

 

 

 

Artigo 5º - A Assembléia Geral compete tratar de todos os assuntos pertinentes à Entidade e deliberar sobre atos dos demais órgãos.

 
 

Parágrafo I - A Assembléia Geral será convocada pelo Conselho Deliberativo ou por no mínimo 1/5 (um quinto) dos sócios efetivos e colaboradores, com antecedência mínima de 07 (sete) dias, por Edital afixado na entidade, no qual constará local, dia e hora da realização, bem como a ordem do dia.

 

 

Parágrafo II - A Assembléia Geral reunir-se-á, em primeira chamada com a presença da maioria dos sócios, e em 30 minutos após com qualquer número de sócios presentes.

 

 

Parágrafo III - As deliberações da Assembléia Geral serão tomadas por maioria simples dos sócios efetivos presentes, salvo nos casos de venda, alienação e oneraçâo de imóveis, que serão decididos por maioria absoluta dos sócios presentes e de conformidade com o Artigo 24 em seu parágrafo I.

 

 

Parágrafo IV - A Assembléia Geral será presidida pelo Presidente da Diretoria Executiva, salvo quando houver impedimento ou restrições legais ao seu voto, sendo neste caso presidida pelo vice-presidente e na falta deste por um membro do Conselho Deliberativo que os presentes escolherem.

 

 

Parágrafo V - Os sócios efetivos participantes da Assembléia Geral assinarão livro de presença, sendo permitida a representação por procuração, seja particular ou pública apenas aos membros da Diretoria Executiva, quando comprovada a impossibilidade da presença. Cada procurador poderá representar apenas um Diretor Executivo.

 

 

 

Artigo 6º - A Assembléia Geral Ordinária será realizada uma vez por ano, até o mês de abril, em hora, local e dia a ser determinado por meio de Edital.

 

 

 

Artigo 7º - Compete privativamente a Assembléia Geral deliberar sobre:

 
  • a) Eleição do Conselho Deliberativo por escrutínio secreto;
  • b) Dissolução da Sociedade;
  • c) As emendas e reformas de Estatuto;
  • d) Alienação, oneraçâo e venda de qualquer imóvel da Sociedade, autorizando o Presidente e o Tesoureiro, em exercício;
  • e) Anexação e incorporação de outras Sociedades;
  • f) Aprovar anualmente as contas e atos praticados pela Diretoria Executiva, relativos ao exercício social findo, deliberando sobre seu relatório e balanço;
  • g) Deliberar sobre assuntos de interesse da Sociedade;
  • h) Conhecer e deliberar sobre irregularidades que porventura venham a ser praticadas;
  • i) Apreciação e julgamento dos recursos que forem inerentes e de competência da Assembléia Geral.
  • j) Deliberar sobre desligamento e ou exclusão de sócios.
 

↑Índice

 

SEÇÃO II

 
 
 

DO CONSELHO DELIBERATIVO

 

 

 

Artigo 8º - O Conselho Deliberativo é o órgão pelo qual se manifestam os sócios do GRUPO ESPÍRITA MENSAGEIROS DA PAZ, devendo este traçar a orientação e diretrizes a serem seguidas pela Entidade.

 

 

 

Artigo 9° - O Conselho Deliberativo é composto de 07 (sete) membros, composto por pessoas de comprovada idoneidade moral e formação espirita.

 

 

 

Artigo 10 - A condução aos cargos do Conselho Deliberativo far-se-á por escrutínio secreto, conforme estabelece a Seção I -Da Assembléia Geral sendo renovado de dois em dois anos, até o mês de novembro dos anos pares, devendo sua posse se dar na mesma oportunidade.

 

 

 

Parágrafo único - É permitida a reeleição consecutiva até duas vezes para o mesmo cargo.

 

 

 

Artigo 11 - 0 Conselho Deliberativo deverá reunir-se-á ordinariamente a cada dois meses a partir do mês de janeiro e, extraordinariamente sempre que convocados pelo Presidente ou pela maioria dos membros do Conselho, ou dos sócios efetivos.

 

 

 

Artigo 12 - Compete ao Conselho Deliberativo:

 
  • a) Deliberar, por maioria de votos, sobre os assuntos de ordem doutrinária e administrativa da entidade e que não contrariem os dispositivos deste Estatuto.
  • b) Eleger a cada 02 (dois) anos, dentre seus membros, por escrutino secreto ou por aclamação, o Presidente e o Vice Presidente do Conselho Deliberativo ou da Sociedade até o mês de novembro dos anos pares;
  • c) Deliberar, em suas reuniões, sobre os atos do Presidente, inclusive sobre sua gestão financeira.
  • d) Autorizar o Presidente e o Tesoureiro a fazerem gastos extraordinários quando solicitados;
  • e) Destituir o Presidente e o Vice-Presidente, mediante prova de grave deslize no exercício de suas funções ou em qualquer outro caso que redunde em incompatibilidade com o cargo;
  • f) Cassar o mandato, pelos mesmos motivos do item anterior, a qualquer dos seus membros;
  • g) Resolver casos omissos neste Estatuto.
 

 

 

Artigo 13 - Perderá o mandato de Conselheiro aquele que:

 
  • a) Faltar sem justa causa, a 3 (três) reuniões consecutivas do conselho;
  • b) Perder a condição prevista no Artigo 9o - deste Estatuto, deixarem de bem servir a Entidade ou a critério da maioria absoluta dos membros do Conselho Deliberativo;
  • c) Pela renúncia voluntária.
 

↑Índice

 

SEÇÃO III

 
 
DA DIRETORIA EXECUTIVA
 

 

Artigo 14 - O GRUPO ESPÍRITA MENSAGEIROS DA PAZ será administrado por uma Diretoria Executiva não remunerada, cuja composição será a seguinte:

 
  • I - Presidente;
  • II - Vice-Presidente;
  • III - Io. Secretário;
  • IV - Io. Tesoureiro;
  • V - Diretores de Departamentos
 

 

 

Artigo 15 - A Diretoria do GRUPO ESPÍRITA MENSAGEIROS DA PAZ terá mandato de 2 (dois) anos e serão eleitos seu Presidente e Vice-Presidente em escrutínio secreto na primeira reunião após a eleição do terço do Conselho Deliberativo, ou conforme previsto na letra "B" do Artigo 12 - deste Estatuto.

 

 

Parágrafo Primeiro - Os cargos de Secretário e o de Tesoureiro, serão de livre escolha do Presidente da Diretoria Executiva e referendados pelo Conselho Deliberativo conforme a letra "C" do Artigo 12.

 

Parágrafo Segundo - São os seguintes os Departamentos da Entidade, além de outros que poderão ser criados: Doutrinário, de Infância e Juventude (DIJ), Ação Social Espirita e Divulgação.

 

 

Artigo 16 - A Diretoria dever-se-á reunir ordinariamente a cada 60 (sessenta) dias e extraordinariamente sempre que convocada.

 

 

Parágrafo I - As deliberações serão tomadas por maioria absoluta de votos dos presentes;

 

Parágrafo II - Perderá o mandato o Diretor que faltar sem motivo justificável a 3 (três) reuniões ordinárias consecutivas.

 

 

Artigo 17 - Compete a Diretoria Executiva:

 
  • a) Cumprir e fazer cumprir os Estatutos da Entidade e as resoluções da Assembléia Geral e do Conselho Deliberativo;
  • b) Promover a realização dos fins que se destina a Entidade;
  • c) Organizar na primeira reunião ordinária do ano social: o orçamento das receitas e despesas, bem como demais atividades que deverão ser aprovadas pelo Conselho Deliberativo;
  • d) Efetuar balancetes mensais e balanços anuais da Entidade.
  • e) Zelar pelos bens patrimoniais da Entidade;
  • f) Dedicar-se às atividades do GRUPO ESPIRITA MENSAGEIROS DA PAZ, zelando pelo seu bom nome e conceito, tornando-o sempre digno de estima e respeito da coletividade;
  • g) Apresentar ao Conselho Deliberativo, anualmente, planos e programas de atividades, destacando os aspectos econômicos, financeiros e sociais.
  • h) Apresentar ao Conselho Deliberativo, para analise prévia, planos e programas de atividade ou outras propostas de interesse da sociedade e que devam depois ser referendadas pela Assembléia Geral;
  • i) Constituir departamentos, comissões e subcomissões indispensáveis ao funcionamento da Instituição;
  • j) Elaborar os regulamentos e regimentos internos da Entidade, submetendo-os à apreciação e aprovação do Conselho Deliberativo;
  • k) Lançar em livro de Atas, as resoluções tomadas em reunião da Diretoria, bem como as nomeações;
  • l) Designar Diretores ou auxiliares da administração geral;
  • m) Admitir e excluir sócios efetivos e colaboradores.
 

 

 

Artigo 18 - Compete ao Presidente da Diretoria Executiva:

 
  • a) Representar ativa e passivamente a Sociedade, em juízo, ou fora dele, podendo delegar poderes ou constituir procuradores com a autorização do Conselho Deliberativo, quando necessário;
  • b) Assinar com o Tesoureiro os documentos concernentes a valores, tais como recibos, quitações, cheques, endossos e todos os papéis similares, sendo vedado o aval e a fiança a/ou de favor de terceiros;
  • c) Assinar a alienação, oneração e venda de qualquer imóvel da Sociedade, juntamente com o Tesoureiro e devidamente autorizados em Ata pela Assembléia Geral;
  • d) Assinar com o Secretário as correspondências da Entidade e as atas das reuniões da Diretoria e Assembléia Geral, fiscalizar juntamente com o Secretário a escrituração social;
  • e) Presidir a Assembléia Geral, o Conselho Deliberativo e convocar e presidir reuniões da Diretoria Executiva, salvo quando impedido;

 

Artigo 19 - Compete ao Vice-Presidente:

 
  • a) Substituir o Presidente nas suas faltas, ausências e impedimentos, quando licenciado ou em caso de renúncia;
  • b) Acompanhar atentamente o andamento das atividades da Entidade, relatando as ocorrências verificadas e zelando pelo bom nome e conceito da mesma.
 

 

Artigo 20 - Compete ao Secretário:

 
  • a) Organizar e dirigir os trabalhos relativos à Secretaria;
  • b) Ter sob sua guarda e responsabilidade o arquivo e o material pertencente A Secretaria;
  • c) Receber a correspondência dando-lhe o competente destino;
  • d) Preparar o expediente, submetendo-o à assinatura do Presidente, quando for o caso;
  • e) Secretariar as reuniões da Diretoria Executiva, do Conselho Deliberativo e da Assembléia Geral, lavrando as respectivas Atas com cópias para o Conselho Deliberativo, e manter sob sua guarda os respectivos livros e documentos;
  • f) Substituir o Presidente nos impedimentos do Vice-presidente e a este nos seus impedimentos.

 

 

Artigo 21 - Compete ao Tesoureiro:

 
  • a) Arrecadar as receitas da Entidade e tê-las sob sua guarda e responsabilidade, devendo depositar em Banco designado pela Diretoria, aplicando os valores para auferir rendimentos financeiros, de acordo com as oportunidades do momento;
  • b) Assinar com o Presidente os documentos concernentes a valores, tais como recibos, quitações, cheques, endossos e todos os papéis similares, sendo vedado o aval e a fiança a/ou de favor de terceiros;
  • c) Assinar a alienação, oneraçâo e venda de qualquer imóvel da Sociedade, juntamente com o Presidente e devidamente autorizados em Ata pela Assembléia Geral;
  • d) Organizar e fiscalizar a elaboração dos balancetes mensais de receitas e despesas e anualmente o balanço geral;
  • e) Poderá com autorização do Conselho Deliberativo, confiar a contabilidade a um técnico remunerado pela Entidade, cujas funções e atribuições serão acompanhadas e fiscalizadas por ele e pela Diretoria Executiva;
  • f) Facultar ao Presidente e ao Conselho Fiscal o exame de livros e documentos a seu encargo, prestando todas as informações sobre a situação econômica e financeira da Entidade;
  • g) Manter em dia os pagamentos das despesas e contas da Entidade;
  • h) Substituir o Secretário em suas faltas e impedimentos.

 

Artigo 22 - Compete aos Diretores de Departamento:

 
  • a) Elaborar as programações do seu respectivo Departamento submetendo-as a aprovação da Diretoria Executiva;
  • b) Supervisionar a execução das programações;
  • c) Assessorar a Presidente nos assuntos da área do seu departamento;
  • d) Substituir, quando designado pelo Presidente, o Secretário, ou a Diretoria de qualquer outro departamento.
 

↑Índice


 

 
 

CAPÍTULO III

 
 

DO PATRIMÔNIO

 
 

SEÇÃO I

DO REGIME PATRIMONIAL
 

 

 

Artigo 23 - O patrimônio da Entidade será constituído de:

 
 
  • I - Bens imóveis, móveis e utensílios, semoventes e outros adquiridos ou recebidos por doação;
  • II - Legados, doações e contribuições oriundas de pessoas
  • físicas ou jurídicas, e instituições públicas ou particulares;
  • III - Bens de uso e usufruto que venha a possuir.

 

Artigo 24 - Opatrimônio será avaliado e contabilizado, sendo que a alienação, oneração e venda de qualquer imóvel da Sociedade, deverão ser autorizadas por Assembléia Geral de conformidade com o Artigo 5o. em seu parágrafo III;

 

Paragrafo I — Excepcionalmente, por evidente necessidade e manifesta conveniência e após prévia avaliação, a Assembléia Geral poderá autorizar vendas, permutas ou constituição de ônus reais, até o máximo de um quinto do patrimônio societário, considerado ao tempo, da aludida avaliação;

 

Parágrafo II - A autorização de que trata o parágrafo anterior deverá ser resultante do assentimento expresso de dois terços dos associados efetivos e legalmente aptos a votar;

 

Parágrafo III - Ao conceder a autorização, a Assembléia Geral deverá determinar, no mesmo ato, a destinação dos recursos.

 

↑Índice

 

SEÇÃO II

 

DO REGIME DE RECEITAS E DESPESAS

 

 

 

Artigo 25 - A receita do GRUPO ESPÍRITA MENSAGEIROS DA PAZ é constituída das seguintes rubricas:

 
  • I - Rendimentos de seus bens;
  • II - doações, legados, donativos e contribuições;
  • III - subvenções, doações e auxílios, que deverão ser aplicados nas finalidades a que estejam vinculados;
  • IV - produto de campanhas e festividades;
  • V - diversas origens, desde que revestidas de sadio cunho moral.
 

 

 

Artigo 26 - As despesas ficam assim discriminadas:

 
  • I - Administração;
  • II - custeio e conservação de bens; III- obrigações diversas.

 

 

Artigo 27 - A receita será arrecadada e a despesa será efetuada de conformidade com o orçamento. Devendo suas rendas, recursos e eventuais resultados operacionais, serem aplicadas na manutenção e desenvolvimento de seus objetivos institucionais no território nacional.

 

Parágrafo I - É vedada a aplicação de crédito para fins diversos daqueles aprovados pelo Conselho Deliberativo;

 

Parágrafo II - É vedada a ajuda ou benefício, sob qualquer pretexto, distribuição de lucros, bonificações ou vantagens a dirigentes, conselheiros, sócios, diretos ou indiretos.

 

↑Índice


 

CAPÍTULO IV

 
 
 

DO QUADRO SOCIAL

 

 

Artigo 28 - O GRUPO ESPÍRITA MENSAGEIROS DA PAZ é composto por número ilimitado de sócios, aos quais serão assegurados os direitos previstos em lei e neste Estatuto.

 

Parágrafo Primeiro: A condição de sócio é pessoal e intransferível.

 

Parágrafo Segundo: Somente poderão ser admitidos como sócios, espiritas que atingiram a maioridade, que freqüentem a sociedade a mais de 6 (seis) meses e que se proponham a trabalhar para o estudo, difusão e a prática dos princípios da Doutrina Espírita.

 

 

Artigo 29 - Os sócios são classificados em:

 
 
  • a- Efetivos
  • b- Colaboradores
  • c- Beneméritos

Parágrafo 1º - São sócios efetivos aqueles que preenchendo a proposta, sejam aprovados pela Diretoria Executiva nos termos do Artigo 17, m, e mantenham suas mensalidades em dia.

 

Parágrafo 2º - São sócios colaboradores aqueles preenchendo a proposta, sejam aprovados pela Diretoria Executiva nos termos do Artigo 17, m, e assinarem o Termo de Voluntariado, de conformidade com a Lei vigente;

 
 

Parágrafo 3º - São sócios beneméritos a juízo da Diretoria e Ad-Referendum do Conselho Deliberativo àqueles que prestarem auxilio ou serviços meritórios na promoção dos ideais da Sociedade, sendo vedado a estes os benefícios do Artigo 30 em seus parágrafos I e V.

 

 

Artigo 30 - Aos sócios efetivos e os colaboradores, assiste o direito de:

 
  • I - Votar e ser votado para cargos eletivos da Sociedade, respeitando o disposto nos Artigos 5o e 9o. Vedado este direito ao sócio efetivo que estiver em débito com a tesouraria.
  • II - Encaminhar ao Conselho Deliberativo sugestões e propostas de utilidade para a Sociedade.
  • III - Representar o Presidente e em defesa da Sociedade em qualquer abuso de que tomar conhecimento seja praticado por sócios ou pessoas estranhas;
  • IV - Levar ao conhecimento do Conselho Deliberativo os abusos praticados pela Diretoria;
  • V - Recorrer à Assembléia Geral Extraordinária, como última instância, de todos os atos e Deliberações da Diretoria e do Conselho Deliberativo que violarem os direitos assegurados neste Estatuto;
  • VI - Assistir as Assembléias Gerais ou ás reuniões do Conselho Deliberativo ou de Diretoria mediante convocação específica e tomar parte de todas as discussões e deliberações decorrentes;
  • VII - Convocar a Assembléia Geral Extraordinária, nos termos do artigo 5o, § 1° deste Estatuto Social.
 

 

 

Artigo 31 - São deveres dos sócios efetivos e colaboradores:

 
  • I - Estudar a Doutrina Espírita, envidando esforços para por em prática seus elevados ensinamentos, em todas as circunstâncias da vida;
  • II - Colaborar nos movimentos e nas obras assistenciais de caráter coletivo, de que a Sociedade participe.
  • III - Conhecer, acatar e cumprir o Estatuto Social, o Regimento Interno e as Deliberações regulamentares tomadas pela Assembléia Geral, pelo Conselho Deliberativo e pela Diretoria Executiva;
  • IV - Aceitar e exercer com critério de diligência, os encargos que lhe forem conferidos pela Assembléia Geral, pelo Conselho Deliberativo ou pela Diretoria executiva;
  • V - Zelar pelo patrimônio moral e material da Instituição, dentro de parâmetros da caridade Cristã proposta pela Doutrina Espírita;
 

Artigo 32 - A exclusão do Quadro Social se dará quando comprovadamente ocorrer desrespeito ao presente Estatuto e/ou o pagamento das mensalidades pelo sócio efetivo deixar de ocorrer por 3 (três) meses consecutivos, o sócio colaborador deixar de cumprir com suas escalas de trabalho, sem motivos justificáveis.

 

 

Artigo 33 - 0 desligamento do sócio ocorrerá:

 
  • I - por motivo de falecimento, de interdição, de doença e por ausência, na forma da lei civil;
  • II - voluntariamente, por requerimento escrito dirigido ao Presidente;
  • III - compulsoriamente, por decisão da maioria absoluta dos presentes à Assembléia Geral, convocada especialmente para este fim, quando a conduto do sócio constituir causa de perturbação ou descrédito para a entidade ou para as finalidades da mesma.

Parágrafo único: 0 sócio que venha sofrer a sanção prevista no inciso' III deste artigo poderá pedir reconsideração, sem efeito suspensivo, à Assembléia Geral, no prazo de 30 (trinta) dias contados da ciência de sua exclusão.

 

↑Índice


 

 

 

CAPÍTULO V

 

DISPOSIÇÕES FINAIS E TRANSITÓRIAS

 
 

Artigo 34 - Os sócios não respondem solidária ou subsidiariamente pelas obrigações contraídas pela Diretoria Executiva, em nome da Sociedade.

 

 

Artigo 35 - O exercício social e o ano financeiro coincidirão com o ano civil, com inicio 01 de janeiro e término em 31 de dezembro de cada ano. Sendo efetuado o balanço geral e as demonstrações financeiras relativas as atividades do GRUPO ESPÍRITA MENSAGEIROS DA PAZ de conformidade com a legislação vigente.

 

 

Artigo 36 - A Entidade está autorizada a cadastrar-se e/ou filiar-se aos setores de Assistência Social no âmbito Federal, Estadual e Municipal, ou junto a entidades análogas.

 

 

Artigo 37 - Os casos omissos neste Estatuto serão resolvidos pelo Conselho Deliberativo e Diretoria Executiva, em reunião conjunta especialmente convocada para apreciar o assunto e, quando for o caso, convocar Assembléia Geral Extraordinária para referendo da decisão.

 

 

 

Artigo 38 - 0 presente Estatuto poderá ser reformado a qualquer tempo pela Assembléia Geral Extraordinária, obedecida às formalidades para convocação da mesma.

 

 

Artigo 39 - Será nula a reforma que afetar fundamentalmente os princípios estabelecidos no Capítulo I, no Artigo 24 e seus Parágrafos, no Artigo 27 - no seu Parágrafo II.

 

 

Artigo 40 - 0 GRUPO ESPÍRITA MENSAGEIROS DA PAZ somente poderá ser dissolvido, quando não houver sócios em número suficiente para preencher os cargos da Diretoria Executiva e do Conselho Deliberativo, ou por assentimento de três quartas partes de seus sócios efetivos com direito a voto, convocados em Assembléia Geral Extraordinária para esse fim, que informará imediatamente a Federação Espírita do Paraná, que indicará um liquidante da Entidade, destinando, o eventual património remanescente a uma entidade congênere espírita ou pública devidamente registrada no CNAS - Conselho Nacional de Assistência Social, ou a entidade que vier a sucedê-la.

 

 

Artigo 41 - A entidade deverá participar das atividades de Unificação dirigidas ou coordenadas pela Federação Espírita do Paraná, através da União Regional Espírita de sua região.

 

 

Artigo 42 - É vedado o exercício, nas dependências da entidade, ou nas suas promoções de quaisquer práticas que contrariem a orientação doutrinária espírita.

 

 

Artigo 43 - 0 presente Estatuto entrará em vigor a partir de sua aprovação em Assembléia Geral.

 

Apucarana 09 de maio de 2004.

↑Índice

 

CNPJ/MF N° 73.313.843/0001-11

GRUPO ESPIRITA MENSAGEIROS DA PAZ

CNPJ/MF N° 73.313.843/0001-11

 

ESTATUTO SOCIAL - ÍNDICE:


 

GRUPO ESPIRITA MENSAGEIROS DA PAZ

CNPJ/MF N° 73.313.843/0001-11

 

ATA DA ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA REALIZADA EM 21 DE ABRIL DE 2013.

 

Aos vinte e um dias do mês de abril, do ano dois mil e treze, às 09h00min, na sede social, do Grupo Espírita Mensageiros da Paz, na rua Desembargador Clotário Portugal, nº. 871, na cidade de Apucarana, estado do Paraná, CEP 86.800-020, convocados por Edital de Convocação, nos termos do Art. 5º, parágrafo 1º, reuniram-se os sócios da entidade para as deliberações sobre a ordem do dia constante da mencionada convocação, adiante transcrita. Assinado o Livro de Presença e nele consignada às indicações da lei, constatou-se a presença dos membros, representando o quorum necessário para instalação da Assembléia Ordinária e Extraordinária, pelo que a Sra. Nelsi Ribeiro da Costa de Souza, assumiu a Presidência, na conformidade do artigo 18, “e”, do Estatuto Social, convidando a mim, Tânia Santos Assunção Caldeira, para servir de secretária, ficando assim constituída a mesa. Declarada instalada a Assembléia, determinou a Presidente que se procedesse à leitura do edital de convocação, o que fiz a seguir, o qual é do seguinte teor: “GRUPO ESPÍRITA MENSAGEIROS DA PAZ – CNPJ/MF nº. 73.313.843/0001-11 – CONVOCAÇÃO – ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA E EXTRAORDINÁRIA – Ficam convidados os membros do GRUPO ESPÍRITA MENSAGEIROS DA PAZ, a se reunirem para Assembléia Geral Ordinária e Extraordinária, no dia 21/04/2013, às 09h00min, na sede social, na rua Clotário Portugal, nº. 871, Centro, na cidade de Apucarana, estado do Paraná, CEP 86.800-020 a fim de deliberarem sobre a seguinte ordem do dia: Assembléia Geral Ordinária: a) aprovação das contas do exercício encerrado em 31/12/2012, constante do Balanço Patrimonial, Demonstração das Mutações do Patrimônio Social, Demonstração do Superavit/Defict do Exercício e demais demonstrações financeiras; b) Eleição dos membros do Conselho Deliberativo; c) Outros assuntos de interesse social. Assembléia Geral Extraordinária: a) Alteração e consolidação do Estatuto Social; b) Eleição dos membros do Conselho Fiscal; c) Outros assuntos de interesse social. Apucarana, 16 de abril de 2013. Nelsi Ribeiro da Costa de Souza, Presidente do Conselho Deliberativo”.Dando início a Assembléia Geral Ordinária, item “a”, foram apresentadas pela Presidente as demonstrações financeiras relativas ao exercício encerrado em 31/12/2012. A Presidente prestou informações sobre o resultado positivo apurado no valor de R$ 7.602,79 (sete mil, seiscentos e dois reais e setenta nove centavos). Colocada em discussão, foi solicitada pelos presentes que a prestação de contas da tesouraria seja publicada no site do Grupo Espírita Mensageiros da Paz mensalmente, e que as Demonstrações Financeiras sejam também publicadas, no site, anualmente. Foi questionado pelos presentes em qual rubrica, na Demonstração do Superávit ou Déficit do Exercício, o valor do resultado dos bazares realizados em 2012 estava lançada, pois este valor não constou, individualmente, na demonstração em epígrafe. A Presidente informou que será solicitada à contadora a retificação da demonstração, no sentido de que sejam identificados, separadamente as receitas, uma vez que as demonstrações financeiras seguirão para registro juntamente com a presente ata. Ato contínuo, a Presidente apresentou aos associados as Certidões Negativas comprovando a regularidade da entidade, perante os órgão públicos, quais sejam: a) Certidão Negativa de Débitos de Tributos Mobiliários nº. 0937-7676-9986; b) Certidão Negativa de Débitos Tributários e de Dívida Ativa Estadual nº. 10320710-98; c) Certidão Positiva com Efeito de Negativa de Débitos Relativos às Contribuições Previdenciárias e ás de Terceiros nº. 000362013-14022843, d) Certidão Conjunta Negativa de Débitos Relativos aos Tributos Federais e à Dívida Ativa da União nº. 0C62.42DE.7CBE.E180, e)Certificado de Regularidade do FGTS – CRF nº 2013041409440798274757. Colocada em votação, as Demonstrações Financeiras do exercício de 2012, foram aprovadas por unanimidade. Dando continuidade, item “b”, passou-se à eleição dos membros do Conselho Deliberativo, com observância do Art. 10, parágrafo único, do Estatuto Social. Sendo os mais votados: Márcio Travain(13 votos), Rosania Acácio Geton (12 votos), Maria Aparecida Mendonça(11 votos), Gisele Volk Cassangi de Paula (10 votos), Maria Tereza Camilios dos Santos (10 votos), Clélia Santos Assunção (10 votos), Tânia Santos Assunção Caldeira(10 votos), Fernando Gabriel de Melo (07 votos), Aída Santos Assunção (07 votos), José Carlos Sandy (05), Valmir Alves de Souza (04), Adriana Milano de Melo(02). Após apuração dos votos, foram eleitos para o Conselho Deliberativo: Márcio Travain, brasileiro, casado, do comércio, residente e domiciliado na rua Antônio Ostrenski, nº. 352, Centro, na cidade de Apucarana, Estado do Paraná, portador da Carteira de Identidade Civil RG nº. 3.396.473-0, CPF/MF nº. 459.549.179-49; Rosania Acácio Geton, brasileira, casada, advogada, residente e domiciliada na rua Antonio Ostrenki, nº. 352,na cidade deApucarana, estado do Paraná, CEP 86.800-200, portadora da Carteira de Identidade Civil RG nº.4.195.721-2, expedida pela Secretaria de Segurança Pública do Paraná, CPF 572.697.699-15; Maria Aparecida Mendonça, brasileira, separada judicialmente, professora, residente e domiciliada na rua Dr. Oswaldo Cruz, nº. 1.460, Apto. 05, na cidade de Apucarana, estado do Paraná, CEP 86.802-260, portadora da Carteira de Identidade Civil RG nº. 7.719.813-0, expedida pela Secretaria de Segurança Pública do Paraná, CPF 863.188.968-72; Gisele Volk Cassangi de Paula, brasileira, casada sob o regime de comunhão parcial de bens, na vigência da Lei nº. 6515/77, em data de 03.10.96, cirurgiã dentista, residente e domiciliada na cidade de Apucarana, estado do Paraná, na rua Diva Nadir nº. 265, Vila Formosa, CEP nº. 86.802-180, portadora da Carteira de Identidade Civil nº. RG.-5.297.971-4, expedida pela Secretaria de Segurança Pública do Paraná, CPF nº. 878.136.889-53; Clélia Santos Assunção, brasileira, solteira, maior e capaz, empresária, residente e domiciliada na rua Alexandre Berberi nº. 190, Apto. 12, Edifício Conquista, na cidade de Apucarana, estado do Paraná, CEP 86.802-250, portadora da Carteira de Identidade Civil – RG nº. 1.745.718-7, expedida pela Secretaria de Segurança Pública do Paraná, CPF 323.900.099-72; Tânia Santos Assunção Caldeira, brasileira, casada, contadora e advogada, residente e domiciliada na rua José Marchiori, nº. 470, na cidade de Apucarana, estado do Paraná, CEP 86.809-110, portadora da Carteira de Identidade Civil RG nº. 4.720.059-8- SSPPR, CPF 679.985.509-53; Maria Tereza Camilios dos Santos, brasileira, casada, advogada, residente e domiciliada na rua Pedro Ribeiro Valim, nº. 187, CEP 86.809-080, na cidade de Apucarana, estado do Paraná, portadora da Carteira de Identidade Civil RG nº. 5.695.170-9, expedida pela Secretaria de Segurança Pública do Paraná, CPF/MF 878.172.339-34, com mandato até 30/04/2015. Prosseguindo, a Presidente suspendeu a sessão às 10h30min, para a posse dos eleitos. Reaberta às 11h00min, declarou que os eleitos haviam cumprido as formalidades legais e estatutárias e, às 10h45min, assinaram o Termo de Posse de investidura nos cargos, ficando como parte integrante desta ata. No Termo de Posse os Conselheiros eleitos declararam, sob as penas da lei, que não estão impedidos de exercer a administração de sociedade, nem por decorrência de lei especial nem em virtude de condenação criminal, ou por se encontrarem sob os efeitos dela, a pena que vede, ainda que temporariamente, o acesso a cargos públicos, ou por crime falimentar, de prevaricação, peita ou suborno, concussão, peculato, ou contra a economia popular, contra o sistema financeiro nacional, contra as normas de defesa da concorrência, contra as relações de consumo, a fé publica ou a propriedade, conforme o art. 1011, § 1º do Código Civil. Na seqüência, item “c”, a Presidente colocou a palavra livre para discussão de outros assuntos de interesse social, não houve pronunciamento, deu-se por cumprida, integralmente, a pauta da Assembléia Geral Ordinária. Ato contínuo, a Presidente passou à pauta da Assembléia Geral Extraordinária, item “a”, aduzindo que havia a necessidade de adequar o Estatuto Social à legislação civil, notadamente ao Código Civil, para a inclusão da Seção referente ao Conselho Fiscal. Disse a Presidente que, ad-referendum da assembléia, havia sido preparado o projeto contendo as adequações e alterações necessárias e que esta minuta havia sido entregue à Presidente, à Vice-Presidente e membros do Grupo com formação contábil e jurídica, dentre eles: Janaina Dalla Costa, Alexandre dos Santos e Rogério Forner, para análise e contribuições; prestados os esclarecimentos solicitados e dispensada a sua transcrição, passando a fazer parte integrante desta ata. Prosseguindo, foi discutido e votado o novo Estatuto Social, o qual recebeu a aprovação unânime dos sócios. Diante da aprovação, disse a Presidente que o novo Estatuto Social, na forma como redigido, passa a vigorar e reger o Grupo Espírita Mensageiros da Paz, devendo a Diretoria tomar todas as providências à formalização e registro nos órgãos competentes. Dando continuidade à pauta, item “b”, foi colocada em votação a eleição dos membros do Conselho Fiscal efetivos e suplentes, sendo eleitos, com mandato até abril de 2014, como membros efetivos: Rogerio Forner, brasileiro, casado, contador, residente e domiciliado na cidade de Apucarana, estado do Paraná, na rua Tulipa, 408, Jardim das Flores, CEP 86.810-290, portador da Carteira de Identidade Civil R.G. 6.756.866-4, expedida pela Secretaria de Segurança Pública do Paraná, CPF 979.622.799-15; Alexandre dos Santos, brasileiro, casado, advogado, residente e domiciliado na rua Pedro Ribeiro Valim, nº. 187, CEP 86.809-080, na cidade de Apucarana, estado do Paraná, portador da Carteira de Identidade Civil RG nº. 5.438.120-4, expedida pela Secretaria de Segurança Pública do Paraná, CPF 908.740.139-68, e Fernando Gabriel de Melo, brasileiro, casado, gestor de projetos, residente e domiciliado na rua Miguel Simião nº 511, Apto. 08, na cidade de Apucarana, estado do Paraná, CEP 86.800-260, portador da Carteira de Identidade Civil RG nº. 6.074.296-0, expedida pela Secretaria de Segurança Pública do Paraná, CPF 023.828.669-00; como membros suplentes: Mauricio Rawski de Paula, brasileiro, casado, empresário, residente e domiciliado na cidade de Apucarana, estado do Paraná, na rua Diva Nadir nº. 265, Vila Formosa, CEP nº. 86.802-180, portador da Carteira de Identidade Civil nº. RG.-3.404.833-9, expedida pela Secretaria de Segurança Pública do Paraná, CPF nº. 811.201.339-04; Valmir Alves de Souza, brasileiro, casado, comerciário, residente e domiciliado na cidade de Apucarana, estado do Paraná, na rua Guapuruvu, nº. 194, na cidade de Apucarana, estado do Paraná, CEP 86.803-000, portador da Carteira de Identidade Civil nº. RG.-6.692.647-8, expedida pela Secretaria de Segurança Pública do Paraná, CPF nº. 687.293.329-15, e José Carlos Sandy, brasileiro, solteiro, comerciário, residente e domiciliado na cidade de Apucarana, estado do Paraná, na rua José Ramos de Oliveira, nº. 41, na cidade de Apucarana, estado do Paraná, CEP 86.802-510, Jardim Eldorado portador da Carteira de Identidade Civil nº. RG.-3.485.030-5, expedida pela Secretaria de Segurança Pública do Paraná, CPF nº. 471.900.439-34. Prosseguindo, a Presidente suspendeu a sessão às 11h30min, para a posse dos eleitos. Reaberta às 12h00min, declarou que os eleitos haviam cumprido as formalidades legais e estatutárias e, às 11h45min, assinaram o Termo de Posse de investidura nos cargos, ficando como parte integrante desta ata. No Termo de Posse os Conselheiros eleitos declararam, sob as penas da lei, que não estão impedidos de exercer a administração de sociedade, nem por decorrência de lei especial nem em virtude de condenação criminal, ou por se encontrarem sob os efeitos dela, a pena que vede, ainda que temporariamente, o acesso a cargos públicos, ou por crime falimentar, de prevaricação, peita ou suborno, concussão, peculato, ou contra a economia popular, contra o sistema financeiro nacional, contra as normas de defesa da concorrência, contra as relações de consumo, a fé publica ou a propriedade, conforme o art. 1011, § 1º do Código Civil. Na seqüência, item “c”, falou o Sr. Fernando Gabriel de Melo, sobre o GAD – Grupo de Apoio a Dependentes, atividade que está sendo realizada desde novembro de 2012, às quintas-feiras, que se compõe de doze (12) etapas, com o objetivo de apoio, orientação e auxílio (técnico e espiritual) a dependentes químicos, embora a atividade não se limite à tais dependentes, abrangendo também qualquer forma de dependência, inclusive as morais. Nesta atividade estão participando os seguintes trabalhadores: Fernando Gabriel de Melo, Maurício Rawski de Paula, Gisele Volk Cassangi de Paula, Rogério Forner, Márcio Travain, Sueli Biazi, Valmir Alves de Souza, Maria Tereza Camilios dos Santos, Lenilda Cordeiro e Adriana Milano de Melo. Após prestar esclarecimentos sobre a atividade, a Presidente informou que será necessário incluí-la no Regimento Interno, o qual será atualizado após a eleição do novo Conselho Deliberativo. Aduziu a Secretária que todas as atividades da instituição (GAD, grupos de estudo, eventos em geral) deverão ser registradas para fins de controle e, também, para registro histórico na entidade. Dando continuidade, aos assuntos gerais, foi proposta pela Sra. Adriana de Melo, considerando que a Diretoria, doravante será eleita em abril, que a agenda de atividades seja elaborada de julho a julho para que a nova diretoria ao assumir, não tenha dificuldades de cumprir a agenda, assim seriam apenas três meses até que a nova agenda de atividades seja elaborada. Colocada a matéria em discussão, foi proposto outro período: de junho a junho. Votada a matéria, foi aprovada a proposta para que a agenda de atividades seja elaborada anuamente, de junho à junho. Continuando, a Presidente colocou a palavra livre para discussão de outros assuntos de interesse social, não houve pronunciamento. A Presidente então, agradeceu o apoio e a confiança recebidos durante sua gestão. Encerrados os trabalhos, a Presidente determinou a lavratura da presente ata, que lida, foi aprovada e assinada.

A presente ata é cópia da que se acha transcrita no Livro de Registro de Atas das Assembléias Gerais nº 02.

Apucarana-PR, 21 de abril de 2013.

 

Nelsi Ribeiro da Costa de Souza

Presidente

Tânia Santos Assunção Caldeira

Secretária

 

↑Índice


 

 

 

Grupo Espírita Mensageiros da Paz

Estatuto Social

 

 

CAPÍTULO I

 
 

DENOMINAÇÃO, FINALIDADE, SEDE E DURAÇÃO DA SOCIEDADE.


Art. 1º - O Grupo Espírita Mensageiros da Paz, com sede na cidade de Apucarana, estado do Paraná, na rua Desembargador Clotário Portugal nº. 871, Centro, CEP 86.800-020, é uma organização religiosa, de caráter civil, no âmbito do direito privado, sob a tutela da Lei Federal nº. 10.406/02 e alterações imanentes do Art. 44, Inciso IV, parágrafo 1º e parágrafo único do Art. 2.031, dispostas na Lei Federal nº. 10.825/2003, de cunho filantrópico, sem fins lucrativos e de duração ilimitada.

 

Parágrafo único – O Grupo Espírita Mensageiros da Paz, fundado em 20 de novembro de 1951, é uma sociedade com personalidade jurídica adquirida com a inscrição do seu primitivo Estatuto Social arquivado no Cartório Civil de Pessoas Jurídicas de Apucarana, estado do Paraná, sob nº. 138 de 12 de outubro de 1964.

 

Art. 2º - O Grupo Espírita Mensageiros da Paz reger-se-á por este Estatuto, disposições legais e normas regimentais que lhe forem aplicáveis.

 

Art. 3º - São finalidades do Grupo Espírita Mensageiros da Paz:

 

  1. Dedicar-se ao estudo e à prática do Espiritismo, no seu tríplice aspecto: filosófico, científico e religioso, consoante os princípios codificados por Allan Kardec;
  2. Difundir a Doutrina Espírita por todos os meios lícitos e compatíveis ao seu alcance;
  3. Exercer atividades de natureza assistencial e de promoção humana à luz da Doutrina Espírita.

 

 

↑Índice


 

CAPÍTULO II

DOS ÓRGÃOS DIRIGENTES

 
Art. 4º - São órgãos dirigentes do Grupo Espírita Mensageiros da Paz:

I.Assembléia Geral;

II.Conselho Deliberativo;

III.Diretoria Executiva;

IV.Conselho Fiscal.

 

 

 

 

SEÇÃO I

DA ASSEMBLÉIA GERAL

 

Art. 5º. A Assembléia Geral é órgão soberano do Grupo Espírita Mensageiros da Paz e compõem-se de todos os sócios administrativos com direito a voto dentro de suas prerrogativas.

Parágrafo único. Compete privativamente à Assembléia Geral:

a) Aprovar as contas da Diretoria Executiva;

b)Eleger os membros do Conselho Deliberativo, Conselho Fiscal e suplentes;

c)Destituir quaisquer membros dos órgãos de administração, mediante prova de grave deslize no exercício de suas funções ou em qualquer outro caso que redunde em incompatibilidade moral com o cargo;

d)Alterar o estatuto.

Art. 6º. As Assembléias Gerais serão:

a)Ordinárias;

b)Extraordinárias;

c)Solenes.

Parágrafo único. As deliberações a que se referem às letras “a” e “b” do Parágrafo único do artigo anterior serão de competência da Assembléia Geral Ordinária, enquanto as que se referem às letras “c” e “d” serão de competência da Assembléia Geral Extraordinária, convocada especialmente para esse fim, observadas as disposições do parágrafo único do art. 59 da Lei nº. 10.406, de 10/01/2002 (Código Civil).

 

Art. 7º. A convocação de Assembléias Gerais será feita pelos seguintes meios: a) por editais publicados durante três (03) dias, com antecedência mínima de 08 (oito) dias, no jornal de circulação diária no município; b) por edital afixado na entidade, com antecedência mínima de oito (08) dias; c) por meio eletrônico (e-mail), aos sócios administrativos.

 

Art. 8º. As deliberações serão tomadas por maioria simples de votos dos presentes aptos a votar, não computados os em branco, ressalvados os casos previstos neste Estatuto ou na Lei que exijam maioria absoluta ou qualificada. Nas deliberações por maioria de votos dos presentes, se houver empate, será decidida pelo voto de qualidade do Presidente da Mesa.

 

Parágrafo único. No caso das letras “c” e “d”, do Art. 5º, as deliberações serão tomadas por sócios que representem 3/4 do quadro social.

 

Art. 9º. As Assembléias Gerais Ordinárias e Extraordinárias realizar-se-ão:

a)Em primeira convocação, com a presença mínima de metade mais um dos sócios;

b)Em segunda convocação, meia hora após, com qualquer número de associados presentes, exceto nas deliberações contidas nas letras “c” e “d” do parágrafo único do art. 5º deste Estatuto Social e no Parágrafo único do art. 59 da Lei nº. 10.406, de 10/01/2002, com as alterações introduzidas pela Lei nº. 11.127, de 28/06/2005.

 

Art. 10. As Assembléias Gerais serão convocadas:

I – A Assembléia Geral Ordinária e a Solene será convocada pelo Diretor Presidente, e na sua falta ou impedimento, pelo Diretor Vice Presidente.

 

II – A Assembléia Geral Extraordinária será convocada:

a)Por iniciativa do Diretor Presidente e, na sua falta ou impedimento, pelo Diretor Vice Presidente;

b)Por solicitação do Conselho Fiscal;

c)A requerimento de 1/5 (um quinto) dos sócios.

 

§ 1º. As Assembléias Gerais serão presididas pelo Diretor Presidente e, na sua falta ou impedimento, pelo Diretor Vice Presidente;

 

§ 2º. A convocação da Assembléia Geral Extraordinária deverá ser feita para deliberar sobre a matéria prevista neste Estatuto ou sobre a que der causa a mesma convocação, dentro de cinco dias contados da data de entrada do requerimento na secretaria do Grupo Espírita Mensageiros da Paz.

 

Art. 11. As Assembléias Gerais Solenes serão realizadas para comemoração de fatos ou datas dignas de homenagem do Grupo Espírita Mensageiros da Paz.

 

Art. 12. As Assembléias Gerais serão secretariadas pelo secretário da Diretoria Executiva e, na sua falta ou impedimento, por sócio escolhido pelo Presidente da Assembléia.

 

↑Índice

 

SEÇÃO II

 

DO CONSELHO DELIBERATIVO

Art. 13 - O Conselho Deliberativo, composto de sete (07) membros, com atribuições administrativas e fiscais será eleito pela Assembléia Geral dos sócios.

Parágrafo único: É permitida a reeleição consecutiva até duas vezes para o cargo de Conselheiro Deliberativo.

Art. 14 - Ao Conselho Deliberativo compete:

a) Deliberar, por maioria de votos, sobre os assuntos de ordem doutrinária e administrativa da entidade e que não contrariem os dispositivos deste Estatuto;

b) Eleger a cada dois anos, até o mês de abril, dentre os seus membros, por escrutínio secreto ou por aclamação, o Presidente e o Vice-Presidente do Conselho Deliberativo, os quais exercerão os mesmos cargos na Diretoria Executiva;

c) Deliberar, em suas reuniões, sobre atos da Diretoria Executiva, inclusive sobre a gestão financeira;

d) Autorizar a Diretoria Executiva a fazer gastos extraordinários quando solicitados;

e) Elaborar ou reformar o Regimento Interno;

f) Resolver os casos omissos neste Estatuto;

g) Deliberar sobre a homologação dos cargos da Diretoria Executiva nomeados pelo Presidente (Secretário, Tesoureiro e Diretores de Departamento);

h) Aprovar a admissão de sócio administrativo, nos termos do Art. 31;

i) Deliberar sobre a exclusão de sócio, nos termos do Art. 34.

 

Art. 15 – O Presidente, o Vice-Presidente e os demais membros do Conselho Deliberativo perderão o mandato, quando ocorrer um dos seguintes motivos:

a) Desencarnação, destituição, cassação segundo os termos da letra “c”, do Art. 5º ou no caso de renúncia;

b) Não comparecimento, sem motivo justificado, a três reuniões consecutivas ou cinco reuniões intercaladas, no decorrer de um mandato da Diretoria Executiva.

Parágrafo único: na hipótese de ocorrer o estabelecido neste artigo, se o cargo for de Presidente, o Vice-Presidente assumirá até o complemento do mandato; se o cargo for o de Vice-Presidente, o Conselho Deliberativo fará a eleição para completar o mandato do destituído e se o cargo for de membro do Conselho Deliberativo este convocará um suplente para completar o mandato, observando a ordem decrescente da votação realizada na Assembléia Geral anterior.

 

↑Índice

 

SEÇÃO III

 
DA DIRETORIA EXECUTIVA
 

Art. 16 - A Diretoria Executiva tem por fim prover a administração do Grupo Espírita Mensageiros da Paz, com poderes amplos para dar cumprimento às disposições estatutárias e regimentais ou às decisões do Conselho Deliberativo.

 

Art. 17 - A Diretoria Executiva compõe-se de:
- Presidente:
- Vice-Presidente;
- Secretário-Geral;
- Tesoureiro;
- Diretores de Departamentos.

 

Parágrafo 1º - O Presidente e o Vice-Presidente serão eleitos na forma do artigo 14, letra b, deste Estatuto, e os demais membros da Diretoria, de livre nomeação e dispensa do Presidente, mediante homologação do Conselho Deliberativo.

 

Parágrafo 2º - Após nomeação dos demais cargos da Diretoria, esta se reunirá para indicação dos Diretores de Departamentos.

 

  1. O mandato dos Diretores dos Departamentos encerra-se com o mandato da Diretoria;
  2. Os Diretores de Departamento poderão ser reeleitos.

 

Art. 18 - São os seguintes os Departamentos do Grupo Espírita Mensageiros da Paz, além de outros que poderão ser criados: Doutrinário, de Infância e Juventude (DIJ); do Serviço Social Espírita, de Divulgação, Estudo da Doutrina Espírita, Estudo da Mediunidade, do Atendimento Espiritual, de Unificação, Comunicação Social Espírita, de Patrimônio, etc.

 

Art. 19 - Ao Presidente compete:

a) Representar a entidade judicial ou extrajudicialmente, ativa ou passivamente, podendo delegar poderes ou constituir procuradores, quando necessário;

b) Cumprir e fazer cumprir as disposições estatutárias e regimentais;

c) Presidir as reuniões da Diretoria Executiva e do Conselho Deliberativo;

d) Prover, diretamente, ou por seus auxiliares, os serviços administrativos;

e) Firmar contratos e compromissos, receber e dar quitação, firmar outros atos de caráter econômico ou financeiro, ordenar o pagamento das despesas ordinárias e pedir ao Conselho Deliberativo autorização para as despesas de caráter extraordinário;

f) Inventariar, juntamente com o Diretor de Patrimônio, os bens do Grupo Espírita Mensageiros da Paz;

g) Escolher e submeter à homologação do Conselho Deliberativo, seus auxiliares administrativos dentre os sócios administrativos;

h) Propor ao Conselho Deliberativo a criação de Departamentos e serviços.

 

Art. 20 - Ao Vice-Presidente, compete substituir o Presidente nos seus impedimentos e coadjuvá-lo na administração da Entidade.

 

Art. 21 - Ao Secretário-Geral compete:

a) Organizar e dirigir os trabalhos relativos à Secretaria;

b) Ter sob sua guarda e responsabilidade o arquivo, livros e todo o material pertencente à Secretaria;

c) Receber e expedir a correspondência, dando-lhe o competente destino;

d) Fazer e assinar, por delegação do Presidente, os editais, avisos de convocação do Conselho Deliberativo e outros;

e) Secretariar as reuniões da Assembléia Geral, do Conselho Deliberativo e da Diretoria Executiva, lavrando as respectivas atas;

f) Substituir o Presidente nos impedimentos do Vice-Presidente e a este nos seus impedimentos.

 

Art. 22 - Ao Tesoureiro, compete:

a) Manter em ordem os livros, documentos e material da Tesouraria;

b) Assinar, com o Presidente, todos os documentos que representem valor, especialmente depósitos e retiradas em estabelecimentos bancários ou congêneres;

c) Efetuar, mediante comprovante, os pagamentos autorizados;

d) Organizar a prestação de contas mensal e publicá-la: a) em edital, na sede social; b) no site do Grupo Espírita Mensageiros da Paz;

 

Art. 23 - Aos Diretores de Departamento, compete:

a) Elaborar as programações do seu respectivo Departamento, submetendo-as à aprovação da Diretoria Executiva;

b) Supervisionar a execução das programações;

c) Assessorar o Presidente nos assuntos da área do seu Departamento;

d) Substituir, quando designado pelo Presidente, o Secretário-Geral, ou a Diretoria de qualquer outro departamento.

SEÇÃO IV

DO CONSELHO FISCAL

Art. 24 - O Conselho Fiscal será constituído por três membros efetivos e três suplentes, eleitos pela Assembléia Geral, não podendo a escolha recair em membro do Conselho Deliberativo, devendo um deles, pelo menos, ser contabilista ou ter conhecimentos de contabilidade.

Parágrafo único. Os suplentes substituirão os membros efetivos em suas faltas e impedimentos.

 

Art. 25 - Ao Conselho Fiscal compete:

I - Escolher, dentre seus membros, o Presidente do Conselho Fiscal;

II - Examinar, quando julgar conveniente, as contas, livros, registros e documentos contábeis; da Entidade.

III - Examinar e dar parecer sobre balancetes e balanço patrimonial anual;

IV - Comunicar, por escrito, ao Conselho Deliberativo, as eventuais irregularidades contábeis de que tenha conhecimento;

V - Propor à Diretoria Executiva a inclusão de assunto na pauta das reuniões ordinárias do Conselho Deliberativo;

VI - Convocar extraordinariamente o Conselho Deliberativo, desde que conte com a unanimidade dos seus membros; Prestar informações ao Conselho Deliberativo, quando solicitado;

VII - Solicitar à Diretoria Executiva as informações que julgar convenientes para o desempenho de suas funções.

 

Art. 26 - O Conselho Fiscal reunir-se-á, ordinariamente, na primeira quinzena do mês de fevereiro, e extraordinariamente, sempre que for convocado pelo Conselho Deliberativo, ou ainda a pedido de seu Presidente ou de dois dos membros titulares do Conselho Fiscal.

↑Índice


 

CAPÍTULO III

 

DO PATRIMÔNIO

 

Art. 27 - O Patrimônio do Grupo Espírita Mensageiros da Paz se constitui de bens e valores legalmente arrecadados ou adquiridos.

Parágrafo único - O patrimônio de que trata este artigo, exclui bens de propriedade da Federação Espírita do Paraná cedidos, a qualquer título, para uso do Grupo Espírita Mensageiros da Paz.

 

Art. 28 - O patrimônio pertencente ao Grupo Espírita Mensageiros da Paz poderá ser onerado ou alienado, somente em caso de comprovada necessidade para atender os fins do Grupo e desde que aprovado pela Assembléia Geral Extraordinária, decidida por maioria absoluta dos sócios administrativos, convocada especialmente para essa finalidade.

Parágrafo único: A cessão de dependências do Grupo Espírita Mensageiros da Paz para uso de moradia com finalidade de guarda do patrimônio, somente será permitida através de contrato de comodato e com prévia autorização do Conselho Deliberativo.

 

Art. 29 - Em caso de dissolução ou extinção do Grupo Espírita Mensageiros da Paz, o seu eventual patrimônio será incorporado a outra entidade espírita da mesma cidade ou região, filiada à Federação Espírita do Paraná e que esteja registrada no Conselho Nacional de Assistência Social – C.N.A.S. Caso não exista na região entidade espírita adequadamente capacitada, como acima especificado, o patrimônio será incorporado à Federação Espírita do Paraná desde que esta esteja regularmente registrada no C.N.A.S.

 

↑Índice

 

 

CAPÍTULO IV

 

DO QUADRO SOCIAL

Art. 30 - Os sócios serão, administrativamente, assim considerados:

a) Administrativos - os espíritas que forem admitidos, maiores de 18 anos, que, voluntariamente, contribuírem através de mensalidade fixada pela Diretoria, ou com valor superior, a critério do associado;

b) Colaboradores - os simpatizantes que, sem tomar parte na administração do Grupo, queiram ajudá-lo a cumprir suas finalidades.

 

Art. 31 - Para ser admitido como sócio administrativo é necessário que a pessoa esteja participando ativamente das atividades do Grupo Espírita Mensageiros da Paz há mais de um ano, seja declaradamente espírita, tenha preenchido proposta para esse fim e seja aprovada pelo Conselho Deliberativo.

 

Art. 32 - São deveres dos sócios:

a) Estudar a Doutrina Espírita, envidando esforços para pôr em prática seus elevados ensinamentos, em todas as circunstâncias da vida;

b) Desempenhar com amor e probidade os cargos ou tarefas que lhes forem confiados;

c) Tudo fazer ao seu alcance, visando o progresso espiritual, material e social do Grupo Espírita Mensageiros da Paz;

d) Pagar, em dia, as mensalidades estipuladas;

e) Comparecer às Assembléias Gerais e cooperar nos trabalhos e iniciativas que a entidade venha a planejar e executar;

f) Colaborar nos movimentos e nas obras assistenciais e de promoção humana de caráter coletivo, de que o Grupo Espírita Mensageiros da Paz participe.

 

Art. 33 - São direitos dos sócios administrativos:

a) Votar e ser votado para cargos eletivos do Conselho Deliberativo do Grupo Espírita Mensageiros da Paz;

b) Recorrer, em primeira instância à Diretoria Executiva, em segunda instância ao Conselho Deliberativo nos assuntos que se refiram a qualquer violação estatutária que confronte com os objetivos elencados neste estatuto e, em última instância à Assembléia Geral.

 

Art. 34 - O sócio cuja conduta moral, associativa ou pública, se comprove não ser conveniente aos objetivos do Grupo Espírita Mensageiros da Paz poderá ser excluído de seu quadro social, após aprovação por maioria absoluta dos membros do Conselho Deliberativo, assegurado o direito de defesa e recurso.

 
 

↑Índice


 

CAPÍTULO V

DA UNIFICAÇÃO
 
Art. 35 – O Grupo Espírita Mensageiros da Paz, filiado à Federação Espírita do Paraná, estará vinculado à respectiva União Regional Espírita e participará, através de seu representante, do respectivo Conselho Regional Espírita.

↑Índice


 

CAPÍTULO VI

DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

 

Art. 36 - O presente Estatuto poderá ser reformado em parte ou no todo por, no mínimo, dois terços dos membros da Assembléia Geral, sendo inalterável a natureza espírita da entidade, suas finalidades, sua destinação patrimonial e distribuição de rendas e resultados (Arts. 3º, 29 e 37), sob pena de nulidade absoluta.

 

Art. 37 – O Grupo Espírita Mensageiros da Paz:

a) Aplica integralmente suas rendas, recursos e eventual resultado operacional na manutenção e desenvolvimento dos objetivos institucionais no território nacional;

b) Não remunera, nem concede vantagens ou benefícios por qualquer forma ou título, a seus diretores, conselheiros, sócios, instituidores, benfeitores ou equivalentes;

c) Não distribui resultados, dividendos, bonificações, participações ou parcela do seu patrimônio, sob nenhuma forma ou pretexto.

Art. 38 - Os sócios do Grupo Espírita Mensageiros da Paz não respondem nem mesmo subsidiariamente pelas obrigações sociais da mesma.

 

Art. 39 - É vedado o exercício, no recinto do Grupo Espírita Mensageiros da Paz, de quaisquer práticas que contrariem a orientação doutrinária espírita.

 

Art. 40 - O presente estatuto entrará em vigor a partir da data de sua aprovação.

 

Apucarana-PR, 21 de abril de 2013.

 

Nelsi Ribeiro da Costa de Souza

Presidente

 

Tânia Santos Assunção Caldeira

Secretária

↑Índice


 

CNPJ/MF N° 73.313.843/0001-11

Gempaz

Conecte-se:

GAD - Grupo de Acolhimento, Amparo e Autodesenvolvimento

Conecte-se:

GEMPAZ